Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 24/07/2018

Infidelidade nos dízimos está ligada ao endividamento e é sinal de mau uso do dinheiro, diz pastor

A infidelidade nos dízimos é um sintoma de descontrole financeiro, afirmou o pastor Marlon Lopes, que é diretor financeiro da Igreja Adventista do Sétimo Dia na América do Sul, alertando que entregar 10% dos ganhos não tem a ver com apostar em bênçãos, mas sim, agradecer por elas.

 

Lopes abordou o assunto em uma entrevista e pontuou que a fidelidade nos dízimos exerce um papel didático: “Um ponto muito importante a entender é que a fidelidade a Deus nos dízimos e ofertas tem impacto positivo na parte que fica com você. Esta é uma bênção específica para aqueles que são fiéis: sabedoria na gestão dos recursos pessoais, fazendo toda a diferença neste mundo onde cada vez mais os valores estão invertidos”, pontuou.

 

O ponto de partida do assunto foi a pesquisa realizada pela Confederação Nacional do Comércio, Bens, Serviços e Turismo (CNC), divulgada em julho, mostrando que 56,8% das famílias brasileiras entrevistadas se declararam endividadas. Nesse contexto, a Agência Adventista Sul-Americana de Notícias (ASN) abordou o assunto com o pastor Lopes, sobre o que a Bíblia diz a respeito das dívidas.

 

“O segundo tema mais encontrado na Bíblia é sobre o dinheiro e, na maioria das vezes, a menção é como advertência, preocupação sobre o mau uso”, alertou o pastor. “Isso nos deve colocar num outro nível de compreensão. Precisamos entender a razão porque Deus nos dá o dinheiro, o propósito do dinheiro na nossa vida, etc. Em nenhum momento você encontra na Bíblia a defesa da ideia do ‘dinheiro pelo dinheiro’”, acrescentou.

 

O uso racional é uma das formas de se endividar, segundo Lopes: “Quanto mais nobre forem seus propósitos com o dinheiro, mais feliz você será e menos riscos de descontrole financeiro também”.

 

“A fidelidade nos dízimos e ofertas é fundamental. É o início de tudo. Algumas pessoas têm uma compreensão errada sobre por que dizimar. Alguns entendem que devem dizimar para Deus os abençoar. Porém o dízimo é exatamente o contrário: Deus já o abençoou e o que estamos fazendo é somente devolver os 10% d’Ele, da bênção já recebida. Em outras palavras: o dinheiro já foi para seu bolso e o que você está fazendo é devolver a parte d’Ele”, explicou.

 

Ao final, a prudência foi uma das recomendações do pastor, que citou Filipenses 4:11-13, em que o apóstolo Paulo diz que aprendeu “a viver contente em qualquer situação”, como um exemplo: “Isso nos dá uma opção de pensar que o endividamento, na maioria das vezes, é a falta da capacidade de aprender a ser feliz com aquilo que se tem”.

 

“Existem vários estudos conectando o endividamento das pessoas a compulsão por compras. A compulsão por ter coisas é a maneira com que as pessoas têm buscado a felicidade, porém esta estratégia não tem sido eficaz nesta busca. E os números estão aí para nos provar isto”, concluiu.

 

 

Gospel +