Joe Biden é o primeiro presidente dos EUA a omitir “Deus” no Dia Nacional de Oração

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Foto: Andrew Harni/AP

Biden, que diz ser católico, emitiu uma proclamação presidencial reconhecendo o Dia Nacional de Oração na quinta-feira. Ele convidou “os cidadãos de nossa Nação a agradecer, de acordo com sua própria fé e consciência, por nossas muitas liberdades e bênçãos”.

Apesar de exaltar a importância da oração, o texto não menciona Deus pela primeira vez desde a criação da data através de uma lei promulgada em 1952, que diz que todo presidente dos EUA deve emitir anualmente uma proclamação para o Dia Nacional de Oração, encorajando os americanos a orar. A data é celebrada toda primeira quinta-feira de maio.

“Neste Dia Nacional de Oração, nós nos unimos com propósito e determinação, e nos comprometemos novamente com as liberdades fundamentais que ajudaram a definir e guiar nossa Nação desde seus primeiros dias”, diz a proclamação.

“Celebramos nossa incrível sorte de que, como americanos, podemos exercer nossas convicções livremente – não importa nossa fé ou crenças. Vamos encontrar em nossas orações, como quer que sejam feitas, a determinação de superar as adversidades, superar nossas diferenças e nos unir como uma nação para enfrentar este momento da história ”.

Biden também deu crédito à oração pelo poder de “movimentos morais”, incluindo “direitos essenciais contra a injustiça racial, trabalho infantil e violação dos direitos de americanos deficientes”.

Além disso, o presidente atribuiu a criação de “uma nação de notável vitalidade religiosa e diversidade através das gerações” ao “direito de todos os americanos de orar” garantido pela Primeira Emenda da Constituição dos Estados Unidos.

Não demorou muito para que os conservadores cristãos proeminentes percebessem que a mensagem de Biden, divulgada na quarta-feira, não incluía a palavra “Deus”.

Folha Gospel com informações de The Christian Post e Christian Headlines

OUTRAS NOTÍCIAS