Versículo do dia
Não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou o teu Deus; eu te esforço, e te ajudo, e te sustento com a destra da minha justiça.

Jovens deixam carreira para servir como missionários em tribos indígenas, no Tocantins

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

De lugares distintos, 29 jovens missionários deixaram seus empregos, cursos acadêmicos e carreiras para se importar com o próximo. Eles chegaram ao Tocantins no dia 29 de janeiro para atuar como missionários em aldeias e comunidades locais. O grupo faz parte do “Um Ano em Missão”, um projeto que está acontecendo nos cinco Estados abrangidos pela União Centro-Oeste Brasileira (Ucob), região administrativa da Igreja Adventista, de forma simultânea.

 

Divididos em três equipes, o grupo deverá ajudar nativos karajás, apinajés e xerentes na Ilha do Bananal, Tocantinópolis e Tocantínia. Na cidade de Tocantínia, além de prestar apoio à comunidade local por meio de serviços assistenciais, existe um objetivo maior ainda: plantar uma igreja.

 

Apesar de terem histórias diferentes, os missionários têm o mesmo objetivo: servir. Todos eles abandonaram emprego, faculdade e até sua família para passar um ano inteiro servindo à comunidade pregando o Evangelho.

 

É o caso da estudante Loise de Moraes que deixou as aulas de Publicidade e Propaganda, em Várzea Grande, (Mato Grosso), para participar do projeto em Tocantínia, localizada a 85 quilômetros de Palmas. A cidade tem pouco mais de sete mil habitantes.

 

A jovem conta que havia trancado seu curso, mas que depois de realizar o treinamento para o trabalho missionário, ela tomou outra decisão. “Estou deixando o curso. Não volto mais. A partir de agora quero algo na área de saúde para ajudar na missão”, disse.

 

De ex-interno a missionário

 

Outro caso intrigante é o de Wilson Lima, um ex-interno da Fundação Casa, em São Paulo. Ele afirma que conheceu a igreja adventista por meio de um grupo que fazia trabalhos na instituição. Quando ele saiu de lá, foi batizado e se mudou para o Mato Grosso do Sul. Foi ai que decidiu participar do projeto.

 

Para ele, o trabalho missionário é muito mais que um novo rumo. “É uma oportunidade de levar a outras pessoas a mensagem que me ajudou a mudar de vida. Através do nosso trabalho, queremos levar muitas pessoas para Cristo”, ressalta.

 

De acordo com o pastor Joni Roger, coordenador do “Um Ano em Missão”, o impacto da iniciativa nessas localidades pode ir além das comunidades atendidas. “Nós acreditamos que essa juventude pode influenciar a Igreja como um todo, assim como as ondas de uma pedra jogada no lago que se propagam”, pontuou.

 

GUIAME

OUTRAS NOTÍCIAS