Versículo do dia
O homem se alegra na resposta da sua boca, e a palavra, a seu tempo, quão boa é!

Justiça decide manter totem cristão em Sorocaba

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

8O Tribunal Superior de Justiça determinou nesta terça-feira (16) que o totem com a inscrição “Sorocaba é do Senhor Jesus Cristo” não fere o princípio do Estado Laico. A decisão foi dada pelo juiz José Eduardo Marcondes Machado, da Vara da Fazenda Pública de Sorocaba que julgou o processo aberto pelo Ministério Público Estadual pedindo a retirada da placa.

 

Para o MPE o totem instalado em 2006 ofende a laicidade do Estado por favorecer uma determinada religião, no caso o cristianismo. Mas na visão do desembargador Ricardo Dip, relator do processo, o pedido do Ministério Público é improcedente, pois “a laicidade estatal não é fundamento para a práxis do ateísmo”.

 

Na decisão o desembargador ainda citou que se o pedido do MPE fosse aceitou poderia dar margem para a retirada de outros símbolos religiosos como o a estátua do Padre Cícero, da Iemanjá e de outros símbolos em várias cidades brasileiras.

 

“Seria a mesma coisa, justificada em razões similares, que pedir a demolição da deusa pagã da Justiça, que ornamenta o prédio do Supremo Tribunal Federal”, disse Ricardo Dip.
Em outubro deste ano o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP) chegou a determinar que o totem era inconstitucional e determinou a retirada da placa que está fixada na Praça do Cristão, em Sorocaba.

 

O mesmo pedido exigia que o atual prefeito da cidade, Antonio Carlos Pannunzio (PSDB), não aprovasse a lei feita pelos vereadores para tornar o totem legal e assim impedir sua demolição.
Com a nova decisão o Município fica livre da obrigação de retirar o totem, uma vez que para esta instância não há irregularidades com a declaração. A Justiça entende que a inscrição faz parte da livre manifestação de um grupo religioso e que retirá-la seria uma discriminação contra a história e a cultura popular.

 

Com informações Estadão.

OUTRAS NOTÍCIAS