Versículo do dia
A alma generosa engordará, e o que regar também será regado.

Justiça nega vínculo empregatício a ex-pastor da Mundial

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

yO pastor citado com as iniciais A.T.T.V. alega que foi demitido sem justa causa pela denominação e não recebeu nada do acerto rescisório. O tempo em que ele atuou como pastor da Mundial foi entre maio de 2006 e novembro de 2014, mas para a Justiça o trabalho pastoral não caracteriza como emprego, e sim como vocação.Um pastor evangélico entrou com uma ação contra a Igreja Mundial do Poder de Deus pedindo o pagamento de verbas trabalhistas e indenização por danos morais. Porém a Justiça do Trabalho em Rondônia, em primeira instância, não reconheceu o vínculo empregatício entre o religioso e a igreja.

 

“Quando o religioso (…) presta serviço por espírito de seita ou voto, ele desenvolve profissão evangélica à comunidade religiosa a que pertence, estando excluído do ordenamento jurídico-trabalhista, ou seja, não é empregado”, sentenciou a juíza titular da Vara do Trabalho, Cândida Maria Ferreira Xavier.

 

Para ela, “tanto é verdade que seu trabalho é voluntário, e não remunerado. O fato de haver horário designado para as reuniões públicas é apenas uma mínima organização da instituição religiosa, e não necessariamente subordinação, na forma considerada pela Lei Trabalhista”.

 

Em sua defesa a igreja pediu inépcia inicial (considera-se inepta a petição inicial quando: lhe faltar pedido ou causa de pedir; da narração dos fatos não decorrer logicamente a conclusão; o pedido for juridicamente impossível; contiver pedidos incompatíveis entre si – Fonte: Jus Brasil) e a condenação do pastor como litigante de má-fé.

 

Mas a juíza rejeitou o pedido de inépcia e também a litigância de má-fé, por acreditar que o autor da ação apenas quis buscar os direitos trabalhistas. A decisão de não reconhecer o vínculo empregatício, fez com que todos os pleitos do ex-pastor fossem negados, inclusive o pedido de danos morais e materiais. Cabe recurso.

 

Gospel Prime

OUTRAS NOTÍCIAS