Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 11/09/2019

Léo Áquilla critica evangélicos e Aline Barros: “Que Deus é esse que vocês pregam?”

O jornalista transexual Léo Áquilla usou as redes sociais para criticar evangélicos que reprovam sua postura e estilo de vida, afirmando que o Deus pregado pelos cristãos é “maldoso”.

 

Em um vídeo recente, o transexual optou por contextualizar a situação que o levou a partir para o ataque. “Postei um vídeo explicando para todo mundo os motivos pelo qual eu ia fechar meu salão. Estava tudo ótimo, todos felizes e maravilhoso”, disse, alegando que seus compromissos com a TV inviabilizaram sua dedicação ao empreendimento.

 

“Aí, veio uma construtora, dessas bem poderosas, e comprou a casa onde estava meu salão. Não só onde estava o meu salão, mas comprou todas as casas do quarteirão porque é um lugar muito nobre e bacana”, acrescentou.

 

Em seguida, ele se referiu à cantora Aline Barros, que foi alvo de críticas suas recentemente: “Mas o que tem a ver com o fechamento do meu salão? Teoricamente, nada. A questão é que um monte de gente evangélica veio até a minha casa dizer que o salão foi fechado porque eu fui brincar com uma serva de Deus, que é ungida. A santa Aline Barros”, ironizou.

 

“Teve muita gente dizendo que isso é castigo de Deus. Que é só o começo. Que eu não perco por esperar o que estar por vir. Nossa, que Deus maldoso que vocês pregam”, declarou no vídeo, publicado em seu canal no YouTube.

 

“Vocês não têm vergonha? Olha as coisas absurdas que alguns crentes vieram até a minha página [no Facebook] me falar. Que o meu salão fechou e foi castigo de Deus por eu ter mexido com uma mulher ungida como a Aline Barros. Gente, para! Isso sim está ficando feio. Isso é depor contra uma classe que merece respeito que é a classe religiosa cristã. Esse tipo de evangélico, tenho certeza que até os evangélicos não aprovam”, disse Léo Áquilla.

“Uma pessoa que é de Deus não vai vir na minha página falar ‘Bem feito. Isso é castigo e você merece’. Nem Deus faria isso. Sobretudo porque em nenhum momento eu chamei a Aline de homofóbica ou transfóbica. As pessoas que deduziram isso pelo histórico de homofobia que ela tem, pois eu mesmo não falei. Apenas contei o que aconteceu. Que é um fato. Todo mundo viu. Ela não quis me cumprimentar e ficou meia hora do meu lado”, recapitulou o episódio.

 

“Então, por que Deus tem que castigar fechando o mesmo salão? Que Deus é esse que vocês pregam? É esse Deus que eu não quero, porque Deus tem tanta coisa pra fazer. Tem tanta gente doente precisando de milagre. Tanta gente com o coação partido precisando de socorro. Tanta gente com depressão. Por que Deus vai se preocupar em fechar o meu salão em tão pouco tempo?”, questionou.

 

Gospel +