Mãe e filho presos se passavam por pastores e mantinham família em cárcere privado

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

A prisão em flagrante de duas pessoas, uma mãe e um filho, que se passavam por pastores no estado da Bahia, revelou um crime que era cometido em nome da fé: uma família inteira era mantida em cárcere privado, e uma menina de 12 anos vinha sendo estuprada.

O caso foi descoberto pelas polícias Civil de Ceará e Bahia, após uma denúncia feita via mensagem ao Conselho Tutelar de Cruz (CE). A dupla de falsos pastores, uma mulher de 58 anos e seu filho, de 23, foi presa em flagrante na cidade de Feira de Santana (BA).

A denúncia foi feita pela mãe das cinco crianças que eram mantidas em cárcere privado juntamente com ela. Os filhos, com idades entre 8 e 14 anos, vinham sofrendo maus tratos, e a menina mais velha, de 12, teria sido estuprada pelo falso pastor.

A família, humilde, foi atraída pela dupla de falsos pastores com a promessa de receberem oportunidades para uma vida melhor na Bahia, com assistência social e espiritual que seriam fornecidas pela igreja onde os dois supostamente atuariam.

Quando a mãe e seus cinco filhos chegaram ao destino, foram proibidos de manter contato com outras pessoas, passaram a trabalhar forçadamente e sofriam agressões. A menina de 12 anos foi induzida a se casar com o homem de 23, mas a mãe se recusou a assinar os papeis de consentimento com a união.

Mesmo assim, a menina foi levada para um quarto, onde teria sido estuprada pelo falso pastor. Diante disso, a mãe conseguiu usar um celular e enviou mensagem para o Conselho Tutelar de sua cidade, já que a família vinha recebendo apoio do Centro de Referência da Assistência Social (CRAS).

O Conselho Tutelar do município de Cruz repassou as informações à Polícia Civil do Ceará, que estabeleceu um raio de busca a partir da foto da placa de um carro enviado pela mãe, já que ela não sabia dizer ao certo onde ela e os filhos estavam sendo mantidos.

O delegado titular da Delegacia Municipal de Cruz, Júlio César Chiarini entrou em contato com a Polícia Civil da Bahia e compartilhou as informações obtidas por sua equipe, e uma operação conjunta foi iniciada para resgatar a família.

Gospel +

OUTRAS NOTÍCIAS