Maioria em consulta pública é contra prescrição médica para vacina infantil

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

A Anvisa sugeriu o uso do imunizante da Pfizer para a vacinação de crianças de 5 a 11 anos contra a covid-19 | Marcelo Camargo/Agência Brasil

A maioria das pessoas que responderam a consulta pública do Ministério da Saúde sobre a vacinação de crianças de 5 a 11 anos foi contrária ao pedido de prescrição médica para imunização do público. A informação foi divulgada durante a audiência pública que discute o tema na manhã desta 3ª feira (4.jan).

Segundo a secretária extraordinária de enfrentamento à covid-19 do Ministério da Saúde, Rosana Leite de Melo, foram quase 100 mil respondentes do formulário disponibilizado no site da pasta até o dia 2 de janeiro.

“Tivemos 99.309 pessoas que participaram neste curto intervalo de tempo em que o documento esteve para consulta pública, sendo que a maioria se mostrou concordante com a não compulsoriedade da vacinação e a priorização das crianças com comorbidade. A maioria foi contrária à obrigatoriedade da prescrição médica no ato de vacinação”, disse Rosana.

A consulta pública foi iniciada em 23.dez de 2021, uma semana após Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendar a adoção da vacina da farmacêutica Pfizer para crianças de 5 a 11 anos, em 16.dez, e ficou disponível para receber respostas até 2.jan. O Ministério da Saúde afirmou que só vai decidir sobre a inclusão da faixa etária no Plano Nacional de Imunizações (PNI) em 5.jan, prazo limite estabelecido pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Além das perguntas sobre o perfil do respondente da consulta pública, o formulário trouxe cinco questões sobre a vacinação infantil com a possibilidade de resposta de sim ou não. Confira quais foram as perguntas sobre o tema:

Você concorda com a vacinação em crianças de 5 a 11 anos de forma não compulsória conforme propõe o Ministério da Saúde?

Você concorda com a priorização, no Programa Nacional de Imunização, de crianças de 5 a 11 anos com comorbidades consideradas de risco para COVID-19 grave e aquelas com deficiência permanente para iniciarem a vacinação?

Você concorda que o benefício da vacinação contra a COVID-19 para crianças de 5 a 11 anos deve ser analisado, caso a caso, sendo importante a apresentação do termo de assentimento dos pais ou responsáveis?

Você concorda que o benefício da vacinação contra a COVID-19 para crianças de 5 a 11 anos deve ser analisado, caso a caso, sendo importante a prescrição da vacina pelos pediatras ou médico que acompanham as crianças?

Você concorda com a não obrigatoriedade da apresentação de carteira de vacinação para que as crianças frequentem as escolas ou outros estabelecimentos comerciais?

Você tem contribuições acerca do documento apresentado?

SBT News

OUTRAS NOTÍCIAS