Mais cem mil crianças nasceram no Hospital da Mulher

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

34Mais de cem mil mulheres tiveram seus filhos no Hospital da Mulher, de 2002 até o ano passado. Municipal e referência nos casos de baixa e média complexidade, a unidade atende às mulheres dos 38 municípios pactuados com Feira de Santana e, em casos que estão cada vez menos excepcionais, de não pactuados. Cerca de 65% das atendidas residem no município.
Neste período, nas suas salas de parto foram realizados 61.398 procedimentos normais e 38.890 cesáreos. Os números são superlativos em outras áreas: as consultas ambulatoriais passaram de 211 mil, os atendimentos emergenciais somam mais de 331 mil e os internamentos passam de 156 mil. Destes, 56 mil foram procedimentos clínicos ou curetagens.

 

Gilberte Lucas, diretora-presidente da Fundação Hospitalar de Feira de Santana, que administra o Hospital da Mulher, diz que a unidade está sendo modernizada e que este processo será contínuo. “Como somos referência não podemos deixar de investir na aquisição de novos equipamentos, na implantação de novos serviços e manter o que já oferecemos com a eficiência que nos tornou singular”.

 

Enfatiza que nos últimos dois anos o Hospital da Mulher teve mais de 3 milhões de reais em investimentos com recursos próprios na aquisição de equipamentos e reformas, onde sua estrutura e mantida mensalmente com 25% Recursos de Produção SUS e 75% recursos próprio do município.

 

Há 23 anos, o hospital tinha apenas 24 leitos, que correspondem a pouco menos de 20% do cenário atual, que tem mais de 110 leitos, mais o leque de serviços que foi incorporado ao longo dos anos. Ao longo dos anos ganhou Unidade de Terapia Neonatal, Berçário de Médio Risco e a Casa da Puérpera – onde as mães ficam hospedadas enquanto seus filhos se recuperam na UTI, e o Programa Mãe Canguru – o recém-nascido prematuro é “amarrado” ao corpo da mãe, que possibilita uma intensa troca de energia, detalhe que facilita a recuperação da criança.

 

No hospital também funciona um banco de leite humano que é referência para toda a região. Atende as necessidades dos recém nascidos que ficam internados e, em casos especiais, ao público externo. O estoque é mantido com doações de mulheres que deram a luz na unidade e outras que se tornam doadoras espontâneas.

 

Cerca de 5% dos atendimentos são prestados a mulheres que moram em municípios não pactuados com Feira de Santana. “A gente não pode negar, sob nenhum argumento, atendimento, principalmente se for emergência”, diz a diretora da unidade, Charlene Portugal, que chegou ao hospital menos de um ano depois da sua fundação. “O que se faz é um atendimento humanitário”. Estas mulheres saem das suas cidades com destino a Salvador, mas param no Hospital da Mulher porque entram em trabalho de parto ou apresentam alguma complicação.

 

Para a diretora, os números por si mostram que a relevância social da unidade hospitalar é grande e que vem, nestas poucas mais de duas décadas, contribuindo para a qualidade da assistência em Feira de Santana.

OUTRAS NOTÍCIAS