Versículo do dia
Mas, amados, não ignoreis uma coisa: que um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos, como um dia.

Mais de 80% dos brasileiros se declaram cristãos, revela Datafolha

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Uma pesquisa realizada pelo Datafolha mostrou que os evangélicos no Brasil já são 31% e 50% são católicos. O que mostra que no total, 81% dos brasileiros se declaram cristãos.

 

As mulheres correspondem a 58% dos evangélicos no Brasil, seis pontos acima da parcela feminina do país (52%), segundo pesquisa Datafolha feita nos dias 5 e 6 de dezembro do ano passado, com 2.948 entrevistados em 176 municípios de todo o país. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

 

Segundo a pesquisa, este número pode chegar a 69% entre as congregações neopentecostais, aquelas que contempla igrejas como a Universal do Reino de Deus, Internacional da Graça de Deus, Mundial do Poder de Deus e a Renascer em Cristo.

 

Entre os católicos,a pesquisa mostra que as mulheres representam 51%, e homens, 49%.

 

O universo evangélico é mais negro do que o católico. Somados, os que se declaram pretos ou pardos são 59% entre os evangélicos e 55% entre os católicos. Já os brancos, no catolicismo, são 36%, contra 30% no meio evangélico.

 

A pesquisa também mostrou que porção de jovens crentes é de 19% e está na média nacional que é de 18%. Já os católicos nessa faixa etária (16 a 24 anos) são mais escassos, 13%.

 

Em relação aos mais velhos, 25% dos que estão com 60 anos ou mais segue a linha do Vaticano, e 16%, a evangélica.

 

As rendas familiares não diferem tanto assim entre um filão religioso e outro. Quase metade dos dois blocos ganha até dois salários mínimos, e 2% de cada um deles dizem viver com mais de 10 salários mínimos.

 

Entre os evangélicos, os que ganham até 2 salários mínimos são 48%. De 2 a 3 salários mínimos, 21%. De 3 a 5 salários mínimos, 17%. De 5 a 10 salários mínimos, 7% e mais de 10 salários mínimos são 2%.

Já entre os católicos, os que ganham até 2 salários mínimos são 46%. De 2 a 3 salários mínimos, 21%. De 3 a 5 salários mínimos, 17%. De 5 a 10 salários mínimos, 9% e mais de 10 salários mínimos são 2%.

 

A pesquisa também analisou o crescimento religioso por região do Brasil. A região Norte (que junto com o Centro-Oeste possuem as áreas menos povoadas do país, com 8% dos brasileiros cada uma) é a que tem a maior proporção de fiéis evangélicos (39%). O Nordeste tem a menor (27%). O Sudeste tem 32%, Sul 30% e Centro-Oeste, 33%.

 

Já os católicos têm no Sudeste 45%, Sul 53%, Nordeste 59%, Centro-Oeste 49% e Norte 50%.

 

Mesmo formando a maioria dos evangélicos, “boa parte das mulheres e dos negros mantém opiniões divergentes das que predominam nas igrejas”, aponta Mauro Paulino, diretor-geral do Datafolha.

 

“São os segmentos mais críticos ao governo Bolsonaro, que tem apoio explícito dos bispos. Para muitos evangélicos, especialmente os mais pobres, a realidade violenta e carente das periferias se sobrepõe às possíveis orientações políticas dos cultos.”

 

Analisando a escolaridade, os números mostram que evangélicos e católicos não têm muita divergência.

 

Considerando os evangélicos, os que possuem apenas ensino fundamental são 35%; o ensino médio, 49% e os que possuem ensino superior são 15%. Já entre os católicos, os números são 38%, 42% e 20%, respectivamente.

 

Complementando os dados sobre religião, a pesquisa ainda mostrou que 10% se declaram sem religião, 2% são da Umbanda, candomblé ou outras religiões afro-brasileiras, ateus são 1% e judeus 0,3%.

 

Fonte: Folha de S. Paulo e foto arquivo IBMI

OUTRAS NOTÍCIAS