Versículo do dia
Porquanto, ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; o produto da oliveira minta, e os campos não produzam mantimento; as ovelhas da malhada sejam arrebatadas, e nos currais não haja vacas, todavia, eu me alegrarei no Senhor, exultarei no Deus da minha salvação.

Malafaia reencontra Bolsonaro após rusgas pela indicação de Nunes Marques ao STF

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

O reencontro do presidente Jair Bolsonaro com o pastor Silas Malafaia aconteceu na última semana, após um desentendimento público entre os dois por conta da indicação do ministro Nunes Marques feita pelo mandatário para a vaga do ex-ministro Celso de Mello, no Supremo Tribunal Federal (STF).

Bolsonaro escolheu Kassio Nunes Marques, então desembargador do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) e com ligações no passado com políticos do Partido dos Trabalhadores.

Malafaia se queixou publicamente, afirmando que a escolha era um erro e Bolsonaro se defendeu dizendo que o escolhido é conservador e defensor do direito ao porte de armas.

O ruído se estendeu, com Malafaia rendendo ao longo de semanas as críticas, enfatizando principalmente a dubiedade da opinião de Nunes Marques sobre o aborto. Depois que a posse ocorreu, o pastor da Assembleia de Deus Vitória em Cristo (ADVEC) baixou o tom.

Agora, após o reencontro, o líder evangélico que vem atuando como conselheiro de Bolsonaro desde a campanha, disse que a visita feita mostra que ele tem “opinião” própria e que a relação com o presidente continua sólida.

“Eu não sou alienado, sou aliado. Apoio o presidente e discordo dele. Sou tão amigo dele que, mesmo discordando, vim aqui conversar com ele hoje”, comentou Malafaia após a saída do Palácio do Planalto.

De acordo com informações do portal O Antagonista, Malafaia também revelou que Bolsonaro o recebeu para ouvir dele uma avaliação do cenário político registrado nas eleições municipais: “Quem perdeu nessas eleições com força foi PSDB e PT […] O Bolsonaro não saiu enfraquecido. A eleição de prefeito tem nada a ver com a eleição de presidente. Se fosse assim, Bolsonaro não seria eleito em 2018. Nós falamos sobre isso com o presidente”, declarou.

Gospel +

OUTRAS NOTÍCIAS