Versículo do dia
Porque, se nós, sendo inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho, muito mais, estando já reconciliados, seremos salvos pela sua vida.

Metalúrgicos pedem ajuda de vereadores para solucionar problema da Yazaki

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

16006-2Buscando solucionar o problema dos funcionários que ficarão desempregados, caso a empresa Yasaki realmente feche as portas, representantes do Sindicato dos Metalúrgicos estiveram presentes na Câmara Municipal de Feira de Santana, na manhã desta quarta-feira (11), para pedir apoio aos vereadores. Os sindicalistas conversaram com os edis no plenário e uma comissão foi formada pelo presidente da Casa da Cidadania, Justiniano França (DEM), para intermediar os acordos.

 

A comissão, formada pelos vereadores Alberto Nery (PT), Edvaldo Lima (PP) e Correia Zezito (PTB), participará da reunião que acontece hoje, às 15 horas, no Sindicato dos Metalúrgicos, onde estarão presentes prepostos dos Governos Municipal e Estadual, representantes do Sindicato e da empresa Yasaki.

 

De acordo com o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, Fábio Dias, a Yasaki não tem mais interesse em permanecer na cidade e está dificultando os acordos com o Sindicato. “A empresa quer que o Sindicato aceite a demissão em massa, o que é proibido por lei, mas nós não vamos aceitar. Eles querem mãos de obra barata, por isso estão saindo de Feira”, afirmou.

 

Fábio relatou ainda que, se a empresa tiver interesse, ela pode manter uma parte dos funcionários, sem precisar demitir todos. “As peças do Fiesta não serão mais produzidas porque o carro sairá de linha. Mas, eles vão produzir outra peça para o Ecosport. Se eles produzirem essa peça aqui em Feira, eles podem manter, pelos menos, 800 funcionários e não precisará demitir todos. Mas, eles não querem isso”, revelou.

 

O diretor do Sindicato lembrou também que 1/3 dos funcionários da empresa Yasaki estão lesionados e agora sem assistência médica. “Muitos colegas estão lesionados por conta do trabalho realizado na empresa. São pessoas que estão bastante debilitadas e terão dificuldade para encontrar outro emprego e até assistência médica. Por conta de toda essa situação, quero pedir a ajuda dos parlamentares nessa batalha. A empresa não quer a interferência dos Governos nem dos parlamentares, mas nós precisamos dessa ajuda”, pediu Fábio.

 

OUTRAS NOTÍCIAS