Versículo do dia
Porque apenas alguém morrerá por um justo; pois poderá ser que pelo bom alguém ouse morrer. Mas Deus prova o seu amor para conosco em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores.

Milhares de evangélicos marcham contra novo Código Penal que legaliza casamento gay, no Haiti

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Milhares de cristãos evangélicos tomaram recentemente as ruas de Porto Príncipe, capital do Haiti , em uma manifestação para exigir a retirada de alguns artigos incluídos no novo Código Penal, aprovado por decreto presidencial.

O protesto, convocado pelo Conselho Espiritual Nacional de Igrejas do Haiti (CONESPAH,), a Federação Protestante do Haiti (FPH) e o Conselho de Igrejas Evangélicas do Haiti (CEEH), que é membro da Aliança Evangélica Mundial, foi pacífico.

Os manifestantes exigiram que o presidente do estado, Jovenal Moïse, retirasse os pontos da nova legislação que consideram “imorais” e perigosos para outros direitos.

Um dos artigos mais polêmicos é a criminalização de tudo o que é considerado discriminação por orientação sexual, já que o novo Código Penal legaliza o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

“Se um pastor não quiser casar dois homens ou duas mulheres, ele será preso e poderá pegar de um a três anos de prisão”, destacou o Pastor Wismond Jeune durante a manifestação.

O novo Código Penal entrará em vigor em dois anos, conforme anunciado por Moïse. Até então, o Haiti será regido por uma lei que data de 1835. Entre outras coisas, eliminará a pena de adultério.

Além disso, como informou a mídia local Le Nouvelliste, “o assédio sexual será incluído na lei criminal haitiana” por meio do Artigo 307, que “define assédio como os comentários ou comportamentos com conotação sexual, repetidamente impostos a uma pessoa que prejudicam sua dignidade, devido a sua natureza degradante ou humilhante”.

Este crime, de acordo com a nova legislação, pode ter punição entre seis meses e um ano de prisão e uma multa que pode chegar a 25.000 gourdes haitianos (mais de 190 euros).

A ambiguidade em estabelecer quais parâmetros definem o que é assédio sexual é um dos assuntos mais discutidos no país, pois pode se referir a casamentos entre pessoas do mesmo sexo, e isso gera rejeição entre a população evangélica.

No entanto, parece ser uma medida mais voltada para a violência sexual contra a mulher, já que segundo dados de 2015 coletados em uma pesquisa com mais de 300 mulheres haitianas realizada pelo Solidariedade às Mulheres Haitianas (SOFA) e a Rede Nacional de Defesa do Homem Direitos (RNDDH), 11% das mulheres entrevistadas afirmaram ter sido vítimas de assédio por parte de seus superiores e 37% das trabalhadoras de ONGs experimentaram tentativas de suicídio.

Mesmo assim, os evangélicos pedem ao presidente Moïse para debater sobre o documento. “As fundações do Haiti não vão desmoronar. Não concordamos com o Código Penal do Presidente”, disse Maxo Joseph, pastor e ex-candidato à presidência do país.

O novo Código Penal também especifica a criminalização das relações sexuais forçadas entre uma pessoa e um animal. No total, o documento contém mais de 1.000 artigos e foi escrito nos últimos 20 anos.

Folha Gospel com informações de Evangelical Foucs

OUTRAS NOTÍCIAS