Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 27/08/2019

Município irá oferecer formação para atuação em Atendimento Pedagógico Domiciliar e Classes Hospitalares

O direito à escolarização é garantido a todos os estudantes tendo respeitadas suas especificidades, inclusive suas condições de saúde. Pensando nisso, a Prefeitura de Feira de Santana, através da Secretaria Municipal de Educação passará a oferecer a Formação para Professores para Atuação no Atendimento Pedagógico Domiciliar e Classes Hospitalares (FORPRADH).

 

O principal objetivo é discutir com os professores efetivos da Rede Municipal de Educação acerca de conteúdos de natureza pedagógica para garantir a continuidade da aprendizagem de estudantes impossibilitados de frequentar a escola por suas condições de saúde.

 

Serão disponibilizadas 30 vagas para estes encontros. As inscrições devem ser realizadas presencialmente, no Centro Interprofissional de Atendimento Educacional Professora Marliete Santana Bastos (InterEduc), até o dia 28 de agosto. A primeira formação acontece no dia 5 de setembro.

 

Fique atento aos pré-requisitos para participar das formações: ser professor efetivo da Rede Municipal de Educação; não estar em estágio probatório; e ter no mínimo dois anos de experiência, atestados pela escola.

 

tiça ação do MP por solução para o centro de Feira, “tomado pelo comércio desorganizado”

 

Uma ação civil pública movida pelo Ministério Público, na Justiça, impõe ao Governo Municipal uma solução para o problema do desordenamento do centro comercial de Feira de Santana. Desde fevereiro deste ano a ação foi apresentada à vara da Fazenda Pública.

 

Em sua petição, o promotor de justiça Anselmo Lima afirma que é de conhecimento público “que o centro de Feira de Santana encontra-se tomado pelo comércio desorganizado de ambulantes, ocupando calçadas e até as vias públicas, sem qualquer ordenação ou respeito à mobilidade urbana”.

 

Segundo o titular da Primeira Promotoria de Justiça, o problema é tamanho que “já não existe mais qualquer possibilidade de caminhar pelas calçadas das ruas do centro”. Ele considera “iminente” o perigo de incêndio em locais como a rua Sales Barbosa, onde a disposição de barracas “impede uma operação de combate ao fogo no local, gerando risco a todos os imóveis localizados naquelas imediações”.

 

O promotor observa que a ocupação desordenada de bens de uso comum do povo, no centro de Feira de Santana, para a prática de comércio em estruturas fixas e móveis, vai de encontro à destinação conferida ás calçadas, ruas e praças, afrontando sobremaneira as normas de direito urbanístico.

 

O objetivo da ação é buscar perante a justiça providências do poder público no sentido de garantir a criação de faixa livre para o pedestre, devidamente identificada e sinalizada, obedecendo as disposições contidas na legislação em vigor.

 

CENTRO COMERCIAL POPULAR

A Prefeitura de Feira, após várias audiências públicas e a aprovação dos camelôs, do comércio e de vários órgãos da sociedade civil, além do aval da Câmara de Vereadores, firmou uma Parceria Público-Privada para construção do Centro Comercial Popular. O espaço é destinado a abrigar 1.800 vendedores ambulantes hoje espalhados pelo centro da cidade. Eles foram cadastrados e fizeram a biometria para haver segurança na identificação.

 

Em fase final de construção na área do Centro de Abastecimento, o equipamento é a solução encontrada para o problema. Atualmente está sendo feito o sorteio para definição dos pontos de venda de cada camelô. A previsão de entrega é para o mês outubro próximo.