Versículo do dia
Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da sua graça.

“Não existe sagrado para o humor”, diz Fábio Porchat

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Fábio Porchat, um dos mais conhecidos nomes do humor no Brasil e um dos criadores do ‘Porta dos Fundos’, acredita que o humor é algo imprescindível para o ser humano.

Segundo o ator, no entanto, o cunho social e informativo de alguns vídeos tem causado polêmica especialmente na internet: “Hoje em dia, fazer comédia é político. Foi fazendo comédia que jogaram duas bombas na minha produtora. Houve um atentado terrorista fazendo comédia. Comédia é um negócio sério, é tão sério que as pessoas se ofendem”, disse ele em entrevista à ‘Quem’, acrescentando que o ‘Porta dos Fundos’ sempre tratou de temas que, segundo ele, precisam ser discutidos pela sociedade.

“A gente já fez parceria com a ONU, já fez vídeo sobre racismo, sobre machismo, sobre religião, gente maluca religiosa. A gente já fez piada com tudo. Tem piada até com terrorista muçulmano. Quando falaram assim: ‘Ah, mas você fez um vídeo de Jesus gay’. Cara, eu já fiz um vídeo sendo um terrorista muçulmano gay. Não tive problema com ninguém”, disse Porchat.

“A gente já fez piada sacaneando ateu, já brincou com todos lados, de todos os jeitos, e de todas as formas. Sempre levando muito a sério essa coisa de bater no opressor, e não no oprimido. De rir de quem bate, e não de quem apanha. Quem apanha está cansado, já. Está perdendo essa luta, precisa de aliado, de gente que indique a maluquice do opressor. A graça não é ver o negro apanhando, é ver o dono do Klu Klux Klan se ferrando”, explicou

Para o apresentador, é importante defender a comédia em sua essência sem incitar o ódio: “Não existe sagrado para o humor. O sagrado é sagrado, porque a partir do momento que a coisa fica sagrada, ela vira lei e fica intocável e vira um monstro que vai se voltar contra você. A gente precisa poder falar do que a gente quiser”, pontuou.

“Mais uma vez: Não é incitando o ódio, a violência, disseminando preconceito. Quando falo de religião e brinco com isso, não entro na igreja, abro a porta e impeço um padre de falar. Não fico rindo da cara do crente que está no culto dele. Não chuto a santa, não vou a um terreiro e prejudico. Isso é crime. Estou falando de rir, de brincar, de ter uma outra visão sobre o assunto. A gente tem que poder rir de tudo justamente para não fazer com que as coisas virem monstros”, disse Fábio.

O apresentador ainda frisou a importância de debater sobre os assuntos, ainda que não se ache graça em determinadas piadas: “A democracia é difícil, porque a gente tem que defender quem a gente odeia. Essa é a lição. O problema é falar ‘não pode’. E rola muito isso no Brasil, e isso é perigoso. A gente tem que deixar acontecer. Pode fazer piada com preto, com gay, com branco, com mulher, com aleijado, com todo mundo. O negócio é: ‘Que tipo de piada você quer fazer? De que lado você está nessa luta? Que tipo de artista você é e que tipo de olhar tem sobre a sociedade?’”, refletiu.

Fonte: Jetss com informações de Revista Quem

OUTRAS NOTÍCIAS