Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 15/11/2019

Negros são 75% entre os mais pobres; brancos, 70% entre os mais ricos, diz IBGE

Carlos Madeiro
Colaboração para o UOL, em Maceió

 

Há o triplo de negros entre os 10% com menores rendimentos per capita no Brasil do que entre o seleto grupo dos 10% com maiores rendas.

 

A constatação está no informativo “Desigualdades Sociais por Cor ou Raça no Brasil”, divulgado hoje pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que aponta como pretos e pardos trabalham, estudam e recebem menos que os brancos no país. A designação de pretos e pardos é utilizada pelo instituto.

 

Segundo o levantamento, 55,8% da população em 2018 se declarou preta ou parda (a soma das duas raças resulta nos negros). Entretanto, no estrato dos 10% com maior rendimento per capita, os brancos representavam 70,6%, enquanto os negros eram 27,7%. Entre os 10% de menor rendimento, isso se inverte: 75,2% são negros, e 23,7%, brancos.

 

Além disso, na classe de rendimento mais elevado, apenas 11,9% das pessoas ocupadas em cargos gerenciais eram pretas ou pardas. Entre os brancos esse percentual era de 85,9%.

 

O levantamento do IBGE ainda revela que a renda menor pode ser explicada também pela dificuldade dos negros em acessarem altos cargos no emprego entre todos os estratos de rendimentos. No ano passado, os cargos gerenciais eram 68,6% ocupados por brancos, contra 29,9% dos negros.

 

Salários mais baixos para negros

 

A diferença entre raças também aparece quando a comparação é feita com base dos salários. “O rendimento médio domiciliar per capita também apresentou diferenças entre os dois grupos de cor ou raça. Na população branca, esse rendimento superou em quase duas vezes o da população preta ou parda —R$ 1.846 contra R$ 934”, diz o informativo.

 

Um ponto que chama a atenção é que, quando esse número é comparado com as diferenças de gênero, em regra os negros perdem mais para os brancos do que as mulheres para os homens. “As razões de rendimentos entre categorias de cor ou raça e de sexo indicam que o diferencial por cor ou raça é maior do que o diferencial por sexo. Enquanto as mulheres receberam 78,7% do valor dos rendimentos dos homens, em 2018, as pessoas de cor ou raça preta ou parda receberam apenas 57,5% dos rendimentos daquelas de cor ou raça branca.”

 

Entre as pessoas vivendo abaixo da linha da pobreza extrema (classificada na pesquisa como US$ 1,90 por dia ou em torno de R$ 7,60), os negros também dominam: enquanto 3,6% das pessoas brancas tinham rendimentos inferiores a esse valor, entre pessoas pretas ou pardas eram 8,8%.

 

Negros são maioria entre desocupados e subutilizados

 

As taxas de desocupação e subutilização também têm maiores índices entre pretos e pardos. “Apesar de serem pouco mais da metade da força de trabalho (54,9%), elas formavam cerca de 2/3 dos desocupados (64,2%) e dos subutilizados (66,1%) na força de trabalho em 2018”, diz o informe.

 

No quesito de taxa composta de subutilização (que é a soma de populações subocupadas, desocupada e fora de trabalho potencial), entre os negros ela ficou em 29% contra 18,8 entre os brancos.

 

Os negros também têm mais trabalhos informais que os brancos. “Após um período de queda, a ocupação informal passou a registrar crescimento desde 2016, com a ampliação, em termos relativos, do pessoal ocupado sem carteira de trabalho assinada e por conta própria em ambas as desagregações por cor ou raça. Em 2018, enquanto 34,6% das pessoas ocupadas de cor ou raça branca estavam em ocupações informais, entre as de cor ou raça preta ou parda esse percentual atingiu 47,3%”, diz.

 

Com menor renda, os negros também acabam sofrendo mais no acesso a serviços básicos. Entre pretos e pardos, por exemplo, 12,5% da população não tinha coleta de lixo (contra 6% dos brancos) e 42,8% não tinham esgotamento sanitário por rede coletora pluvial (entre os brancos esse índice é de 26,5%).

 

Educação começa a corrigir desigualdade

 

As diferenças prosseguem também na educação. “Entre 2016 e 2018, na população preta ou parda, a taxa de analfabetismo das pessoas de 15 anos ou mais de idade passou de 9,8% para 9,1%, e a proporção de pessoas de 25 anos ou mais de idade com pelo menos o ensino médio completo se ampliou de 37,3% para 40,3%, como reflexo da substituição das gerações com menor nível educacional”, aponta o IBGE.

 

“Ambos os indicadores, porém, permaneceram aquém dos observados na população branca, cuja taxa de analfabetismo era 3,9%, e a proporção de pessoas com pelo menos o ensino médio completo era 55,8%, considerando os mesmos grupos etários mencionados, em 2018”, continua.

 

Mas a pesquisa mostra uma boa notícia: o acesso à educação da população preta ou parda está ocorrendo desde a infância. “Nesse grupo populacional, a frequência das crianças de 0 a 5 anos de idade à creche ou escola aumentou de 49,1% para 53%, entre 2016 e 2018”, apontou o informativo, chegando próximo ao percentual de brancas: 55,8% no último ano.

 

Já entre 6 a 10 anos, crianças brancas e negras cursando os anos iniciais do ensino fundamental era praticamente idêntico: 96,5% e 95,8%, respectivamente.

 

O problema piora à medida que se avançam os anos. “A proporção de jovens de 18 a 24 anos de idade de cor ou raça branca que frequentavam ou já haviam concluído o ensino superior (36,1%) era quase o dobro da observada entre aqueles de cor ou raça preta ou parda (18,3%)”, aponta.

 

Universidade avança entre negros, mas taxa é baixa

 

Entre os universitários, mesmo com as cotas sociais, os negros ainda têm taxa bem inferiores de acesso. Entre 2016 e 2018, a proporção de estudantes de 18 a 24 anos de idade cursando ensino superior passou de 50,5% para 55,6%. “Esse patamar, contudo, ainda ficou abaixo dos 78,8% de estudantes na população branca de mesma faixa etária nesse nível”, aponta.

 

“Embora tenha havido melhora, as desigualdades entre esses dois grupos populacionais permanecem consideráveis e se agravam no decorrer do percurso escolar, atingindo o ápice no ensino superior”, avalia o instituto.

 

Na conclusão do estudo IBGE, o informativo aponta que as desigualdades étnico-raciais “têm origens históricas e são persistentes”.

 

“A população de cor ou raça preta ou parda possui severas desvantagens em relação à branca, no que tange às dimensões contempladas pelos indicadores apresentados —mercado de trabalho, distribuição de rendimento e condições de moradia, educação, violência e representação política”, afirma.

 

 

Fonte: UOL