Notícias do Mundo Gospel

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 21/08/2018

Netflix é acusada de promover pornografia infantil por mostrar criança se masturbando

Uma grande organização se manifestou contra o filme de suspense erótico argentino “Desire”, da Netflix, argumentando que cenas de uma criança se masturbando constituem pornografia infantil.

 

O Conselho de Pais sobre a Televisão (PTC), que monitora materiais da mídia considerados prejudiciais às crianças, enviou uma carta ao diretor executivo da Netflix, Reed Hastings, compartilhada com a agência de comunicação Deadline, insistindo que o filme tem “conteúdo pornográfico infantil”.

 

O PTC acusou a Netflix de “mostrar uma negligência imprudente diante de milhões de famílias, que mantêm sua plataforma de transmissão viva e viável, e colocando os lucros de forma incansável à frente de qualquer senso de responsabilidade corporativa, para potencialmente se envolver em atividades criminosas”.

 

A carta ainda descreve as cenas específicas de pornografia infantil: “O filme mostra uma menina de 9 anos se masturbando pela primeira vez e experimentando um orgasmo enquanto assiste a um filme de John Ford com um jovem amigo”, explicou o comunicado. “A cena em que as garotas imitam o vaqueiro sentando em seu travesseiro e pulando para cima e para baixo, usa câmera lenta, o som de respiração pesada e closes do rosto da criança”.

 

“Em um momento tão importante em Hollywood quanto este, onde a campanha #MeToo está expondo um comportamento grotesco e responsabilizando os responsáveis por isso, a Netflix se engaja afirmativamente na distribuição de conteúdo de má reputação?”, questionou o autor da carta enviada pelo PTC, Timothy Winter.

 

Embora a Netflix ainda não tenha respondido à controvérsia, o cineasta do filme “Desire”, Diego Kaplan, insistiu anteriormente que as cenas controversas em questão foram feitas com o total consentimento das mães das crianças.

 

“Quando vemos um tubarão comendo uma mulher no cinema, ninguém acha que a mulher realmente morreu ou que o tubarão era real. Trabalhamos em um mundo de ficção e, para mim, antes de ser diretor, sou pai”, disse Kaplan ao site ‘IndieWire’ em junho.

 

“Claro que essa cena foi filmada usando um truque, para mostrar que as garotas estavam copiando uma cena de caubói de um filme de John Ford. As garotas nunca entenderam o que estavam fazendo, estavam apenas copiando o que estavam vendo na tela”, acrescentou.

 

“Nenhum adulto interagiu com as meninas, além do instrutor de cena. Tudo foi feito sob a vigilância cuidadosa das mães das meninas. Porque eu sabia que essa cena poderia causar alguma controvérsia em algum momento, há filmagens de ‘Making Of’ da série, com a filmagem de toda a cena”, destacou ele, tentando justificar.

 

O diretor insistiu que a cena depende da interpretação do espectador, argumentando que a opinião de alguém em relação à cena “dependerá do seu nível de depravação”.

 

A controvérsia em torno do filme se estende por meses. Usuários chocados da Netflix optaram por cancelar sua assinatura. Alguns assinantes também direcionaram seus tweets para o FBI, pedindo uma investigação sobre o Netflix.

 

Em julho, a PJ Media informou que os assinantes indignados da Netflix têm compartilhado um clipe da cena de abertura do filme “Desire”, dirigido por Diego Kaplan.

 

O FBI e o Departamento de Justiça indicaram, para a jornalista Megan Fox, que escreveu o artigo para a PJ Media, o Centro Nacional para Crianças Desaparecidas e Exploradas, que informou que já iniciaram uma investigação sobre o filme.

 

“A Netflix está distribuindo pornografia infantil para fins lucrativos. Isso não é surpresa para qualquer um que leu minha exposição na série original da Netflix, Big Mouth, que nada mais é do que um desenho animado que brinca com crianças por abuso infantil. É um lixo hediondo e ultrajante que inclui genitália de crianças, crianças contando piadas sobre sexo oral e masturbação constante e interminável. O próximo passo óbvio para o Netflix é que as crianças da vida real se envolvem em atividades sexuais. A pergunta deve ser feita. Quão baixa a indústria do entretenimento pode ir? E que tipo de pais levou dinheiro para o filho ser usado dessa maneira?”, disse Fox em seu artigo.

 

Os usuários do site de streaming de filmes levaram para a mídia social para expressar seu desgosto que a Netflix estava efetivamente promovendo a pedofilia e normalizando o sexo infantil, permitindo este filme em sua plataforma, e avisaram que estariam cancelando suas assinaturas.

 

O FBI e o Departamento de Justiça informaram, em julho, que o Centro Nacional para Crianças Desaparecidas e Exploradas, havia iniciado uma investigação sobre o filme.

 

Fonte: Guiame