Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 03/12/2018

“Netflix promove o tráfico sexual” de adolescentes em nova série, acusa organização

Considerada um dos maiores sucessos no mundo do entretenimento, a Netflix já conquistou milhões de assinantes em todo mundo, mas alguns dos seus conteúdos têm provocado indignação e a rejeição de muitos usuários. Como exemplo, agora a empresa está sendo acusa de promover o tráfico sexual de adolescentes em uma nova série, chamada “Baby”.

 

“Apesar de apoiar o movimento #MeToo, a Netflix parece ter ficado completamente surda nas realidades da exploração sexual”, disse Dawn Hawkins, diretora executiva do Centro Nacional de Exploração Sexual (CNES).

O CNES é uma organização americana que combate a exploração sexual, e desde janeiro desse ano vem se manifestando contra o lançamento da série “Baby”, que, segundo o órgão, retrata um “grupo de adolescentes entrando na prostituição como uma forma de amadurecimento”.

 

A série tem como inspiração o “escândalo Baby Squillo”, ocorrido na Itália em 2013, quando foi descoberto que pelo menos 40 homens pagavam para ter relações sexuais com alunas de 14 e 15 anos.

 

A Netflix, ao que parece, dá outra conotação aos acontecimentos, omitindo a natureza perversa e criminosa da exploração sexual, ao invés de condená-la. Hawkins diz que a empresa está visando apenas seus próprios interesses.

 

“Apesar dos protestos de sobreviventes de tráfico sexual, especialistas no assunto e prestadores de serviços sociais, a Netflix promove o tráfico sexual insistindo em transmitir ‘Baby’. Claramente, a Netflix está priorizando lucros sobre vítimas de abuso”, disse ele.

 

“Este programa glamouriza o abuso sexual e banaliza a experiência de inúmeras mulheres e homens menores de idade que sofreram com o tráfico sexual”, acrescenta.

 

A empresa tentou se defender, alegando em outubro desse ano que a produção busca “autenticidade” e que os criadores buscaram reproduzir a realidade.

 

“Os escritores conheciam esses personagens e estavam vivendo com eles. Parte disso é essa busca por autenticidade. Você lida com a crueldade porque quer histórias que importam”, declarou Erik Barmack, vice-presidente da International Originals na Netflix.

 

O Centro Nacional de Exploração Sexual, no entanto, sustenta que a empresa usa seu interesse por audiência para promover o tráfico sexual, segundo informações do Christian Post.

 

Em um comunicado oficial, o órgão diz que a série “Baby”, da Netflix, incentiva “atitudes e comportamentos sexualmente exploradores perpetrados por muitos homens na vida real e culpar suas vítimas. Essas são as mesmas atitudes e comportamentos que o movimento #MeToo procura erradicar”.

 

Gospel +