Novela Os Dez Mandamentos cresce e Record tem melhor audiência desde 2009, diz jornalista

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

os-dez-mandamentos A “novela bíblica” Os Dez Mandamentos proporcionou à TV Record sua melhor média de audiência para uma produção própria de dramaturgia em quase seis anos.

 

Na última terça-feira, 31 de março, a novela ficou com média consolidada de 12 pontos, segundo o Ibope. Essa média é o melhor resultado de um folhetim produzido pela Record desde 2009, quando a emissora do bispo Edir Macedo ousou com “Os Mutantes”.

 

A informação foi divulgada pela jornalista Keila Jimenez, da coluna Outro Canal, no site do jornal Folha de S. Paulo. A novela, que tem custo de R$ 700 mil por episódio, é a aposta da Record para se consolidar à frente do SBT, em segundo lugar de audiência.

 

A emissora tem contado com o mal desempenho da concorrência para lograr sucesso. A novela Babilônia, da TV Globo, coleciona péssimos índices de audiência, marcando um recorde negativo e atraindo inúmeras críticas dos telespectadores.

 

O público evangélico promoveu um boicote à novela nas redes sociais devido a um beijo gay entre duas personagens. Em resposta, a Globo promoveu mudanças sutis na apresentação da trama, como uma mudança na abertura e maior destaque às histórias dos personagens de menor expressão.

 

Ateísmo

 

Agora, como forma de tirar o foco da polêmica história dos protagonistas, a emissora resolveu abordar o ateísmo como um tema de discussão.

 

Num capítulo recente da novela, o personagem do ator Marcos Palmeira, Aderbal, prefeito de uma cidade fictícia, pergunta ao jovem Rafael (interpretado por Chay Suede) qual sua religião, e a resposta é: “Sou ateu”.

 

Diante da afirmação, Aderbal expulsa o rapaz de sua casa, dizendo que ele não era digno de sua filha e que ele não queria mais vê-lo.

 

Os ateus formam um grupo social que sofre com a incompreensão daqueles que tem fé, e a emissora aposta que essa discussão vai levar as atenções dos telespectadores para um lado diferente.

 

Folha de São Paulo

OUTRAS NOTÍCIAS