Ônibus de frota emergencial já circulam em Feira

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Veículos vieram da cidade e Itapetininga, interior de São Paulo, onde a empresa Rosa também é responsável pelo transporte coletivo de passageiros.

 

A empresa Rosa disponibilizou a cidade de Feira de Santana, uma frota emergencial de ônibus para suprir a necessidade da população. Os veículos foram vistoriados na última terça-feira (7) pelos técnicos da Secretaria de Transporte e Trânsito SMTT.

 

Os veículos que preencheram as rotas do município são datados do ano de 2013 e obedecem as exigências do edital disponibilizado pela Prefeitura de Feira em 25 de agosto de 2015. “Ônibus do ano de 2013 estão sendo vistoriados, verificados todos os itens presentes no edital. Portanto a população de Feira de Santana pode ficar tranquila que não terá ônibus superior a cinco anos, nem de 10 anos”, explica o secretário de Transporte e Trânsito, Pedro Boaventura. Alguns critérios que foram avaliados e adaptados o GPS, os aplicativos, os monitores, elevadores, indumentária, cores e logomarcas.

 

Segundo o contrato assinado pelo prefeito José Ronaldo de Carvalho e os representantes das empresas Rosa e São João, na letra D da clausula 16, diz: “Manter durante toda execução do contrato, com idade média máxima menor ou igual a cinco anos e maior que quatro anos, conforme proposta técnica”. No próprio edital também há uma questão que acena para o tempo de fabricação dos ônibus: “Durante a vigência da concessão, a idade media da frota operante, será cinco anos e com idade máxima de 10 anos. A exceção dos ônibus articulados. A frota reserva deverá ser de no mínimo 5% e no máximo 10% de veículos operacionais”, ou seja, o que está sendo feito está seguindo exatamente o que o contrato preconiza.

 

Pedro Boaventura: “não teremos na cidade ônibus com mais de cinco anos de uso”

 

A frota permanecerá em Feira de Santana até a empresa Rosa se reestabelecer. “O que nós queremos é transporte para Feira e de qualidade. Se resolverem a questão com o banco, os veículos continuarão na cidade e esses passarão a ser frota reserva”, conclui Boaventura.

 

FOLHA DO ESTADO

OUTRAS NOTÍCIAS