Versículo do dia
Abençoai aos que vos perseguem; abençoai e não amaldiçoeis.

ONU entrega locais sagrados judaicos aos muçulmanos

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

bA ONU, através da UNESCO, aprovou uma resolução nesta quarta (21), entregando dois locais sagrados para os judeus ao controle de muçulmanos. O Túmulo de Raquel, perto de Belém, e a Caverna dos Patriarcas em Hebrom, agora estão na mão dos palestinos.

 

 
A resolução foi feita por seis nações membros do executivo da UNESCO: Argélia, Egito, Kuwait, Marrocos, Tunísia e os Emirados Árabes Unidos. Não por coincidência, todos países muçulmanos. A proposta de incluir o Muro das Lamentações, considerando-o uma extensão da mesquita de al-Aqsa, foi retirado da proposta final por pressão de países aliados de Israel.

 

 
O documento acusa Israel de “agressão e medidas ilegais” no Monte do Templo, que afetam a liberdade de culto e o acesso dos muçulmanos a chamada Esplanada das Mesquitas, no alto do monte do Templo. A acusação é uma tentativa de Israel em violar os acordos em vigor desde 1967.

 

 
A maioria dos 58 países-membro da UNESCO já apoiaram resoluções em favor dos palestinos antes. Ironicamente, nenhuma menção foi feita ao fato de o Túmulo de José, um local também considerado sagrado foi incendiado novamente pelos mesmos muçulmanos que teriam de preservá-lo.

 

 
Os locais entregues agora têm significado histórico, pois são mencionados na Bíblia. Abraão comprou a caverna e o campo próximo a ela cerca de 3.700 anos atrás, onde enterrou sua família (Gênesis 23-25).

 

 
A segunda esposa de Jacó, Raquel, a mãe de José e Benjamin, foi enterrada perto de Belém (Gênesis 35:16-20). Para os muçulmanos, Abraão é uma figura sagrada, mas eles afirmam que são descendentes de Ismael, que seria o filho da promessa. O Antigo Testamento diz que a linhagem continua em Isaque, pai de Jacó.

 

 
O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon estava em Israel, onde se reuniu com o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu e o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas.

 
“Acho que é hora de dizer a verdade sobre o terrorismo palestino”, afirmou Netanyahu ao líder da ONU. “Não é sobre os assentamentos, não é sobre o processo de paz, mas trata-se, pura e simplesmente, do desejo de destruir o Estado de Israel”. s

 

 

GOSPEL PRIME

OUTRAS NOTÍCIAS