Versículo do dia
Andareis em todo o caminho que vos manda o Senhor, vosso Deus, para que vivais, e bem vos suceda, e prolongueis os dias na terra que haveis de possuir.

Ora-pro-nobis é rica em proteína e boa para saúde: veja como prepará-la

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
tasty food

Você já ouviu falar da ora-pró-nobis? É uma planta que provavelmente você tem no quintal da sua casa e nem sabe que ela é comestível! Ela foi descoberta no estado de Minas Gerais, como o nome científico Pereskia aculeata, e ultimamente virou popular por ter sido descoberta como um super alimento com vários benefícios para a saúde. Considerada uma planta alimentícia não convencional, as chamadas PANC. Antigamente, as igrejas mineiras usavam a ora-pró-nobis como uma proteção natural, já que a planta pode alcançar até 10 metros de altura e a presença de espinhos, ela a impedir a entrada de intrusos na hora da missa. A folha fornece minerais como manganês, magnésio, ferro, cálcio, além de vitamina C e fibras, nutrientes importantes para manter nossa imunidade em alta. Além disso, contém uma grande quantidade de compostos fenólicos que protegem nossas artérias. Para vegetarianos e veganos ela é uma excelente fonte de proteína, já que pode concentrar de 17 a 32% de proteína em matéria seca, podendo a farinha ser usada na produção de bolos, pães e massas, aumentando assim o consumo de proteína na dieta.

Então em 100 g temos de 17 a 23 g de proteína, o que é uma fonte incrível,  sendo boa parte aminoácidos essenciais, como a arginina, a leucina e o triptofano.

Para quem acha que somente a folha é comestível, saiba que o talo é rico em fibras e lembra muito o aspargo, que aqui no Brasil tem um valor bem alto para a maioria da população, então nada de jogar ele fora! Você pode consumi-lo cru, picadinho por cima da salada, ou ainda acrescentar no refogado de cebola na hora de fazer uma farofa. Em 100 g de folhas + talos temos até 39 gramas de fibras, lembrando que a recomendação diária de fibras é de 20 a 30 gramas, ou seja, conseguimos bater a meta tranquilamente. É importante lembrar que para ajudar no intestino toda fibra precisa de água, por isso a importância de beber pelo menos 2 litros de água por dia, assim o intestino vai funcionar como um “reloginho”. Outra ação importante das fibras é que 5% dessas fibras são solúveis, por isso ajudam controlar os níveis de colesterol e ainda dão uma grande sensação de saciedade.

Outro ponto interessante que vale ressaltar é que para pessoas que sofrem com osteoporose, ela pode ser uma excelente pedida, pois em 100 g de folhas temos mais de 500 miligramas de cálcio, enquanto na mesma porção de leite desnatado temos apenas 123 mg. Aqui uma boa pedida é substituir a couve do suco verde pela ora-pro-nobis e assim já começar seu dia com uma bebida rica em cálcio. Para quem tem anemia também é um bom alimento já que 100 g tem 14,2 mg ferro, enquanto que a mesma quantidade de fígado de boi, que é apontado como uma boa fonte de ferro, tem apenas 5,8 mg.  Com o foco na imunidade, que tanto se fala hoje em dia, ela contém 26,7 mg de zinco, que quando comparada com a carne, como o patinho por exemplo, tem só 8,1 mg.

Como cultivar e preparar em casa Você pode plantar na sua casa ou até mesmo no seu apartamento. Como ela está cada dia mais popular você já consegue achar mudas em lojas de jardinagem e até mesmo em feiras-livre. O ideal para quem mora em apartamento é escolher vasos grandes e apoiar os galhos em estacas enfiadas na terra, por ser uma trepadeira, ela necessita desse sustento. Coloque o vaso em local que tenha luz solar, próximo de janelas. A terra não pode nunca ser encharcada, então nada de molhar todo dia, o ideal é regar a cada dois dias apenas. Depois de plantar, o ideal é esperar 120 dias para colher as primeira folhas e depois disso, a cada 2 meses você deve fazer a poda para que não crescer demais, lembrar sempre de usar luvas, já que a planta tem espinhos.

Por ter um sabor bem neutro, você consegue utilizar em diversas receitas. Ela pode ser consumida crua como salada: você pode misturar com outras folhas como alface, agrião, rúcula e assim consegue ter uma alta concentração de nutrientes e fibras, excelente para pessoas que sofrem com constipação intestinal. Ao cozinhar ela solta uma mucilagem, que lembra um pouco a baba do quiabo, então fica super saboroso em pratos como frango cozido, porco na pressão, omelete ou ainda para engrossar pratos como molhos e o próprio caldo do feijão. Para quem não gosta desta textura a dia é assar ou secar na frigideira, assim as folhas ficam crocantes e você pode consumir como um snack.

Se for cozinhar, basta pingar algumas gotinhas de suco de limão, assim ela não fica com esta textura que lembra a baba do quiabo. A folha cozinha bem rápido, por isso o ideal é adicional no final do preparo, assim não perde seus nutrientes. Em algumas lojas de produtos naturais já é possível encontrar a folha na versão de farinha, podendo substituir metade da farinha da receita por ela e assim deixará bolos e pães mais nutritivos e proteicos, excelente para pessoas que buscam emagrecer ou estão com a diabetes descontrolada.

Outra dica é fazer um molho de macarrão tipo molho pesto, misturando as folhas com o manjericão, castanha, azeite e queijo, todos estes ingredientes são adicionados no processador e rapidamente triturados para um molho incrível. Este molho pode ser utilizado inclusive para temperar a salada.

Por: Verônica Laino (Uol), com imagem ilustração.

 

OUTRAS NOTÍCIAS