Versículo do dia
Meus filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas por obra e em verdade.

“Os caminhos de Deus não são os nossos”, diz candidato à presidência dos EUA sobre terrorismo

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

marco-rubioO senador Marco Rubio, 44 anos, pré-candidato do Partido Republicano à presidência dos Estados Unidos em 2016, afirmou que os ataques terroristas foram permitidos por Deus e fazem parte de seus complexos caminhos.

 

Durante um comício no estado de Iowa, Rubio afirmou que percorrendo o país em campanha logo após os atentados da sexta-feira 13 de novembro em Paris, foi questionado “onde estaria Deus nos atentados de 11 de setembro de 2001 e Paris”, e que respondeu a essa pergunta reconhecendo que nem sempre é possível entender os planos divinos.

 

“Eu respondi: ‘onde Deus está sempre. No Seu trono, no Céu’. A questão é: ‘como Deus poderia permitir que essas coisas ruins aconteçam?’. Ele sempre nos desafia a entender que os caminhos d’Ele não são os nossos caminhos. O que podemos interpretar como ruim e certamente o é, no caso de Paris ou do 11 de Setembro, mesmo que faça parte de um plano mais amplo para o universo e para a nossa vida, é que nós simplesmente não vamos saber a resposta. Os caminhos de Deus não são os nossos caminhos”, disse o senador da Flórida.

 

De acordo com informações do Christian Post, Rubio afirmou em seguida que muitas pessoas se portam como crianças pequenas, comportando-se perante a soberania de Deus como quem acredita que “seus pais deixariam médicos prejudica-lo com agulhas, quando vão receber uma vacina”.

 

“Tudo o que a criança compreende nos seus 3 ou 4 anos de idade é que seu pai e sua mãe a ama, mas está permitindo que um estranho enfie uma agulha em seu braço – ou alguma outra região do corpo – e isto dói, dói muito. ‘Por que eles estão permitindo que eu seja ferido por esse estranho? Eu não entendo isso’. Mas eu entendo. Enquanto essa agulha fere o braço da criança durante 3 ou 4 segundos, ela o faz para impedir que algo muito mais perigoso, muito mais doloroso e muito mais difícil aconteça mais tarde”, contextualizou.

 

Gospel +

OUTRAS NOTÍCIAS