Padre que convidou pastor evangélico para participar de celebração da missa de Cinzas é afastado

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Reprodução

A Igreja Católica divulgou neste sábado (20) que afastou o padre de Jundiaí (SP) que convidou um pastor evangélico para participar da celebração da missa de Cinzas, na quarta-feira (17). O padre José Carlos Pedrini era responsável pela Paróquia Sagrado Coração de Jesus, no bairro Colônia, onde ocorreu a missa.

O caso ganhou repercussão depois que o vídeo foi parar nas redes sociais. As imagens mostram um pastor da Igreja Presbiteriana Unida do Brasil participando da celebração e, inclusive, comungando, ação religiosa dos fiéis seguidores do catolicismo.

A Diocese de Jundiaí abriu uma investigação e informou que, “conforme a vigente legislação da Igreja em situações como esta, enviamos o ocorrido à Congregação para a Doutrina da Fé, em Roma, a fim de que nos seja indicado qual o caminho a seguir”.

Enquanto o caso é avaliado, a diocese decidiu afastar o padre Pedrini. Ainda conforme a Diocese, o padre Giuseppe Bortolato foi chamado para o substituí-lo.

Em uma nota publicada na quinta-feira (18) na página da diocese, o bispo diocesano Dom Vicente Costa, responsável pela Igreja Católica em Jundiaí, afirmou que não tinha conhecimento sobre o assunto e que não havia dado seu consentimento para que o pastor evangélico celebrasse a missa.

“Portanto, as devidas medidas canônicas administrativas cabíveis a este caso já estão sendo tomadas”, informa a nota do bispo.

“Lamentamos sinceramente o acontecimento que gerou, com razão, grande desorientação e divisão entre os fiéis”, escreveu Dom Vicente Costa.

Em outro trecho do documento, o bispo diz que acredita que o padre não teve a intenção de ferir as regras da igreja.

“Uma inadequada compreensão das iniciativas relacionadas ao sempre louvável diálogo ecumênico talvez esteja na base de seu impulso. Importa salientar, portanto, que sua ação parece não derivar da consciência expressa de querer desobedecer às normas da Igreja Católica ou ferir a sacralidade da Santíssima Eucaristia.”

“Continuamos a acreditar firmemente no diálogo ecumênico sadio e autêntico com outras comunidades cristãs, tão defendido pelo Concílio Vaticano II e pelos pronunciamentos dos últimos Papas, a fim de podermos atender à prece de nosso Senhor Jesus Cristo: ‘Que todos sejam um’ (Jo 17,21). E renovamos nossos sentimentos de fraterna estima pela Igreja Presbiteriana Unida do Brasil, que, na pessoa de um de seus pastores, malgrado seu, se viu envolvida numa situação que nos é tão sensível”, completa a nota.

Informações do G1 Sorocaba e Jundiaí

OUTRAS NOTÍCIAS