Versículo do dia
Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

Parlamentares aprovam lei que protege pastores de obrigação de celebrarem casamentos gay

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

casamento-gayLegisladores na Câmara dos Representantes da Geórgia aprovaram uma lei que protege pastores de qualquer punição ao se recusarem a celebrar uniões entre pessoas do mesmo sexo.

 
O projeto, de autoria do político republicano Kevin Tanner, foi aprovado durante uma votação na última semana, de forma unânime, unindo duas linhas rivais de pensamento político. Democratas estavam de acordo com a proposta, e o projeto recebeu 161 votos a favor, e nenhum contra.

 

Segundo informações do Acontecer Cristiano, a “Lei de Proteção de Pastor” estipula que “o ministro do Evangelho, o clero, ordenado ou praticantes religiosos que são autorizados a realizar casamentos, não serão obrigados a realizar cerimônias ou administrar sacramentos que sejam contra as suas crenças e o livre exercício da religião sob a Constituição deste estado ou dos Estados Unidos”.

 

Tanner disse que esta lei é uma reafirmação do princípio fundamental da separação entre a Igreja e o Estado: “Ela deixa claro os aspectos que, na Geórgia se homenageia os juramentos sagrados feitos pelos nossos pastores, padres, rabinos e outros clérigos, e o governo não tem intenção de pedir quebrar seus juramentos”, disse.
A lei também protege os templos de igrejas, sinagogas e outros locais das organizações de culto e proíbe o governo de obrigar que se faça um evento que viole a doutrina religiosa.

 

Representantes da comunidade LGBT criticaram a lei, afirmando que trata-se de uma “licença para discriminar”. No entanto, as críticas não foram suficientes para fazer o projeto ser recusado pelos legisladores.
Enquanto isso, o pastor Daniel Ausbun, da Primeira Igreja Batista em Moreland, comentou a aprovação em uma entrevista a um jornal local: “A liberdade religiosa é a liberdade de crer e praticar a fé sem interferências do governo”, resumiu.

 
GOSPEL+

OUTRAS NOTÍCIAS