Versículo do dia
Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas interiormente são lobos devoradores.

Pastor afirma que cristãos não devem fazer tatuagem por ser “uma prática pagã”

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

carreta-tomba-depois-de-acidente Há muito tempo o tema tatuagem gera discussões no meio evangélico, com argumentos favoráveis e contra de todas as partes. Por muito tempo, foi consenso no meio pentecostal que “marcar a pele” era pecado, enquanto que algumas denominações neopentecostais definiam a questão como de “foro íntimo” de cada fiel.

 

Ainda sem um consenso entre as diferentes linhas de interpretação da Bíblia sobre o assunto, o pastor Pat Robertson definiu que o adorno é “inadequado para cristãos por ser uma prática pagã”. A afirmação foi feita durante seu programa The 700 Club na unidade norte-americana da emissora de TV Christian Broadcasting Network (CBN).

 

Um telespectador entrou em contato para dizer que “estava pensando em fazer uma tatuagem de Jesus” nas costas e pediu a opinião do veterano e polêmico pastor. Robertson não titubeou ao dizer que não aprovava a ideia.

 

“Você olha para a Bíblia, e está escrito para o povo não marcar o corpo e se cortar como pagãos fizeram. Tatuagem é uma prática pagã, e não cristã”, cravou Pat Robertson, citando Levítico 19:28: “Pelos mortos não dareis golpes na vossa carne; nem fareis marca alguma sobre vós. Eu sou o Senhor”.

 

Controvérsia
Muitas denominações já aceitam que os fiéis se tatuem, e há inclusive os que se posicionam dizendo que o papel das denominações é abrigar os cristãos, respeitando as experiências de fé de cada um. “A Igreja somos nós”, diz o pastor Steve Bentley, que montou um estúdio de tatuagens na sede da igreja que lidera.

 

Já o pastor Chris Seay, da Ecclesia Church, em Houston, Texas, rebate o argumento de Robertson dizendo que a passagem de Levítico tem como objetivo disciplinar o povo contra a idolatria, e não contra os adornos em forma de tatuagem: “O problema não era com as tatuagens, mas com o fato de que fazer uma tatuagem ou cortar o cabelo ou barba era um símbolo que na época era identificado como adoração a deuses pagãos”, argumentou, de acordo com informações do Christian Post.

OUTRAS NOTÍCIAS