Versículo do dia
Cheguemos, pois, com confiança ao trono da graça, para que possamos alcançar misericórdia e achar graça, a fim de sermos ajudados em tempo oportuno.

Pastor é assassinado por radicais hindus e corpo é jogado em floresta, na Índia

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Um plantador de igrejas no estado de Maharashtra, na Índia, foi brutalmente assassinado por extremistas hindus depois, de sofrer anos de abuso por sua fé cristã em meio à escalada da intolerância religiosa e da violência no país.

O organização ‘International Christian Concern’ relata que, em 10 de julho, extremistas hindus desconhecidos assassinaram o pastor Munsi Thado, de 35 anos, e deixaram seu corpo na floresta perto da vila de Badpari, no distrito de Godcharoli, no estado de Maharashtra.

Os hindus supostamente raptaram o pastor de sua casa, ignorando os apelos de sua esposa Rajini para que sua vida fosse poupada.

Nos cinco anos anteriores à sua morte, o pastor Munsi viveu na floresta perto da aldeia Badpari, devido à pressão da aldeia. Os líderes da aldeia, irritados com os esforços evangelísticos de Munsi, exigiram que ele se retratasse de seu trabalho evangelístico e negasse sua fé cristã. Quando o pastor se recusou a cumprir tais exigências, ele foi expulso da aldeia.

Após o ostracismo de sua comunidade, Munsi, que fazia parte de um grupo separatista maoísta antes de sua conversão ao cristianismo, continuou a evangelizar, levando quase duas dezenas de famílias a Cristo.

“Ele foi morto por causa de sua fé, vida e ministério para com o povo Adivasi na área”, disse um de seus colegas à ICC. “Ele conduziu mais de 20 famílias a Cristo nos últimos cinco anos, desde que foi expulso da aldeia por alguns radicais hindus”.

A Índia tem cerca de 66 milhões de cristãos de uma população total de aproximadamente 1,36 bilhão. O país tem visto um aumento constante na perseguição aos cristãos na última década, de acordo com a Portas Abertas (EUA), que classifica a Índia como o décimo lugar mais perigoso para se viver como um cristão.

A Portas Abertas observa que os ataques contra os cristãos são frequentemente perpetrados por nacionalistas hindus, enquanto os convertidos ao cristianismo de origem hindu são “especialmente vulneráveis ​​à perseguição e constantemente sob pressão para retornar ao hinduísmo, especialmente por meio de campanhas conhecidas como Ghar Wapsi”.

Grupos de direitos humanos afirmam que desde que o Bharatiya Janata, um partido nacionalista hindu, ganhou as eleições gerais em 2014, os extremistas hindus têm como alvo os cristãos.

De acordo com o Persecution Relief, que rastreia perseguição e assédio anticristãos na Índia, os crimes contra cristãos na Índia aumentaram 60% entre 2016 e 2019. A organização sem fins lucrativos descobriu que entre janeiro de 2016 e junho de 2020, houve 2.067 crimes inspirados pela intolerância religiosa contra os cristãos na Índia.

Oito dos 29 estados da Índia aprovaram leis rígidas de “anticonversão” para impedir qualquer pessoa de converter ou tentar converter, direta ou indiretamente, outra pessoa por meios “forçados” ou “fraudulentos”, ou por “aliciamento” ou “Incentivo”.

As penalidades por violar as leis podem variar de multas monetárias à prisão. Grupos de direitos humanos advertiram que tais leis são frequentemente usadas para discriminar minorias religiosas ou para justificar assassinatos extrajudiciais.

Fonte: Guia-me com informações de International Christian Concern

OUTRAS NOTÍCIAS