Pastor faz “unção das armas” em igreja evangélica

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Um vídeo que viralizou nas redes sociais mostra um pastor fazendo a “unção” de um arsenal de armas em uma igreja evangélica da capital paranaense Curitiba. No ritual, o líder da Igreja Agnus, Renê Arian, realiza a unção de revólveres, pistolas, uma espingarda e um fuzil com intuito de “proteger a população”.

“Senhor Deus, em nome de Jesus, nós ungimos essas armas para a segurança da nossa população de nossa cidade, Senhor. Nós pedimos que o Senhor venha nos guardar, venha nos proteger, através dessas armas”, diz Arian na gravação.

O pastor prossegue e justifica que a bênção serve para segurança da população contra o que chama de “homens maus”.

“A Tua palavra diz: tudo o que ligares aqui na Terra terá sido ligado nos céus. E nós ligamos, através da unção com óleo, essas armas que serão para a nossa proteção, para guardar a população, em nome Jesus, contra os homens maus. Para a glória, Deus e louvor, de seu nome, nós pedimos que o Senhor nos guarde, nos livre e nos proteja, em nome de Jesus. Amém e amém”, emendou.

O pastor afirmou que já realizou a unção de outros instrumentos de trabalho e que há respaldo na palavra de Deus.

“Como são instrumentos que usam a trabalho, não só deles, mas de médicos e mecânicos, já ungi ferramentas de trabalho. Encontro na palavra de Deus a possibilidade. É um instrumento deles de trabalho, defendem a sociedade das armas, não há nada de errado na palavra de Deus. Não fiz nada demais. As pessoas não conhecem a palavra de Deus, só o que ensinam em algumas instituições”, explicou.

A cerimônia, ocorrida no último sábado, 12, contou com a presença de dois delegados e um investigador, além de outra pastora. O vídeo foi gravado e publicado pelo delegado Tito Barrichello, da 2ª Delegacia de Homicídios da capital. També aparecem nas imagens a delegada Tathiana Guzella, da 1ª Delegacia de Homicídios de Curitiba, um investigador apresentado como “Cabelo” e a pastora identificada apenas como Erlane.

Em seguida, Barrichello agradece ao pastor pela unção e afirma que as armas serão usadas “na defesa da sociedade dentro das regras estabelecidas pela própria sociedade”. No Instagram, o delegado classificou a bênção como “muito especial”. Ele tem mais de 41 mil seguidores na rede social.

Questionado, Barrichelo afirmou que as armas são todas privadas e legalizadas. Disse ainda que a ideia partiu do pastor René por haver “diversas passagens de benções aos escudos e armas”.

“A unção tem um sentido de benção, para que aquilo, apesar de poder causar um dano a outro, seja um instrumento de paz. Na polícia, organizamos para que não ocorra reação do investigado. A ideia da arma é não utilizá-la”, disse ao GLOBO.

O delegado disse também que é católico, mas frequenta igrejas evangélicas pela “relação com os pastores”.

“A polícia tem que se relacionar com a sociedade. Me convidam para um culto, e eu vou. Já estive em outros.”

O pastor, que também é teólogo, disse que recebeu questionamentos de fiéis, mas que outros foram a favor.

“Tenho que ensinar a verdade às pessoas. A diferença é que Deus proteja amanhã do livramento, de pessoas más, de roubarem.”

Com informações de O Globo

 

 

OUTRAS NOTÍCIAS