Pastor filmado beijando menina de 14 anos nega crime em depoimento e disse que foi um ‘selinho’

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Reprodução/TV Anhanguera

O pastor que foi filmado secretamente por uma adolescente de 14 anos a beijando e oferecendo dinheiro, na casa dela em Goiânia, negou os fatos em depoimento à polícia na tarde desta sexta-feira (23). Ele se apresentou espontaneamente à Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) para prestar esclarecimentos, segundo a Polícia Civil.

O G1 não localizou a defesa do pastor para se manifestar sobre a investigação até a publicação desta reportagem.

No vídeo gravado pela própria adolescente, ele pergunta se ela quer mais R$ 10, após beijá-la. Na delegacia, o pastor negou mais uma vez o fato e, por fim, alegou que a menina pediu dinheiro. O boletim de ocorrência foi registrado na DPCA na terça-feira (20).

“Questionamos se ele deu dinheiro para a menina, ele negou. Só que o vídeo mostra claramente ele questionando se ela queria mais dinheiro, que mostra uma circunstância de que não era a primeira vez que acontecia. Ele negou de novo e, depois, disse que ela pediu, contrariando o teor do próprio vídeo”, pondera a delegada Gabriela Adas.

Esse oferecimento de dinheiro se enquadra no crime previsto no artigo 218-B, do código penal, segundo a delegada, que versa sobre favorecimento a prostituição ou outra forma de exploração sexual de alguém menor de 18 anos.

A delegada informou que ele será indiciado por este crime. O inquérito está na fase final de investigação e será enviado ao Judiciário depois de algumas diligências.

As investidas do pastor aconteceram em dois dias seguidos, 13 e 14 de abril, conforme apurou a delegada. A menina contou para a mãe sobre a importunação, mas ela desacreditou no primeiro momento.

“A mãe relata que a menina contou, mas que ela não acreditou em um primeiro momento porque ela exerce função de liderança dentro da igreja. Então dizia que tinha muita confiança nele. A fim de fazer a mãe acreditar na versão dela é que ela resolveu gravar o vídeo com esse teor para convencer a família”, pontuou a delegada.

Depoimento

O pastor prestou depoimento por duas horas. Ao ser confrontado com o vídeo, diante da negação, ele disse que foi apenas um “selinho” e que colocou as mãos nos ombros da menina.

” Ele disse que, na verdade, tinha dado um selinho na menina e colocado as mãos nos ombros dela. Mostramos os vídeos que mostravam o contrário, porém ele continuou negando, mas reconheceu que ele mesmo protagonizou a cena”, explicou a delegada.
Segundo Gabriela Adas, o pastor afirmou que não tinha contato com a menina, mas os áudios demonstraram o contrário.

“A menina cresceu dentro da igreja, então eles tinham uma proximidade grande”, complementa a delegada.

G1

 

OUTRAS NOTÍCIAS