Pastora diz que Jesus apoiaria métodos abortivos para garantir liberdades

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Uma audiência do Senado dos Estados Unidos ouviu uma pastora metodista sobre a nomeação de um novo integrante da Suprema Corte, e durante sua fala, ela defendeu a prática do aborto como algo coerente com as Escrituras.

 

O Senado vem debatendo a nomeação de Brett Kavanaugh para a Suprema Corte, e parte do processo inclui a realização de audiências públicas. Em uma delas, a pastora Alicia Baker, da Igreja Metodista de Indiana, pediu que o Comitê Judiciário do Senado recuse a indicação porque ele se posicionou, em 2015, contra o fornecimento, através do Obamacare, de medicamentos que pudessem causar abortos.

 

Em seu relato, a pastora Alicia contou que em 2016 estava se preparando para o casamento e estudando opções para controle de natalidade. Ela escolheu usar um DIU e conluiu que sua seguradora – Financial Resources Guidestone (FRG), da Convenção Batista do Sul – cobriria o problema.

 

No entanto, ela recebeu uma mensagem de Guidestone dizendo que a seguradora “não fornece cobertura para abortos ou drogas que causam abortos, pois isso viola nossas convicções bíblicas sobre a santidade da vida”.

 

“Um DIU é uma forma de controle de natalidade que previne a gravidez; não aborta uma gravidez”, disse a pastora. Assim como a FRG, outras organizações religiosas apontam para as evidências científicas de que os DIUs e as pílulas do dia seguinte podem agir após a fertilização.

 

Essas organizações acreditam que a vida começa na concepção. Um relatório das Nações Unidas em 1996 afirmou que, embora o DIU seja projetado para impedir a fertilização, em alguns casos ele pode “impedir a implantação” de um embrião.

 

“Jesus nos leva a defender uma sociedade justa que permita que as pessoas vivam suas vidas ao máximo”, disse a pastora Alicia Baker. “Em João 10:10, Jesus diz: ‘Eu vim para que você tenha vida e tenha em abundância’. Nesta passagem, Jesus não se refere apenas à salvação pessoal; também pretende que procuremos justiça para os pobres e oprimidos aqui na Terra. Uma das maneiras de conseguir isso é apoiando políticas para ajudar mães, pais solteiros e famílias de baixa renda, tanto antes quanto depois do nascimento dos bebês”, acrescentou a pastora, que interpretou o conceito de vida como um suporte para a ideia do aborto.

 

“E isso significa apoiar o acesso a contraceptivos acessíveis, porque permitir que as pessoas planejem se querem engravidar e quando engravidar, o controle de natalidade nos permite viver nossas vidas mais completas”, insistiu a pastora, que por essa única divergência, pediu que o comitê impeça a nomeação de Kavanaugh à Suprema Corte.

 

“Como uma pessoa de fé profunda, eu nunca imporia minhas crenças religiosas a ninguém, nem a mais ninguém. Minhas crenças religiosas são separadas da lei. O registro do juiz Kavanaugh mostra que ele não respeita essa separação crítica”, argumentou.

 

Embora a FRG tenha recebido uma isenção da obrigação de fornecer material abortivo/contraceptivo no sistema Obamacare, a empresa teve que processar o governo federal em 2013 para obter tal liberdade.

 

O presidente da empresa, OS Hawkins, afirmou em 2013 que a questão era uma questão de liberdade religiosa. “Nós relutantemente tomamos este passo porque estamos comprometidos em proteger os nascituros e preservar a liberdade religiosa que é garantida pelas leis desta nação. Este mandato funciona mal nesses princípios fundamentais”, afirmou à época, segundo o portal Noticias Cristianas.

 

 

Gospel +

OUTRAS NOTÍCIAS