Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 05/07/2019

Pesquisa mostra por que mais muçulmanos estão se voltando para Jesus

“O Islã é a religião que mais cresce no mundo atualmente, e está no caminho para desafiar o cristianismo como a maior religião do mundo até 2050”, afirma David Garrison, diretor executivo da Global Gates e autor de uma extensa pesquisa que buscou mostrar quais os motivos, apesar deste cenário, por trás da conversão, sem precedentes, de muçulmanos ao cristianismo.

 

Historiador formado pela Universidade de Chicago, Garrison, no entanto, constata, após pesquisa que realizou com movimentos e comunidades muçulmanas, que nunca foi tão alto o número de pessoas que abandonam o Islã para se tornarem cristãs.

 

O interesse de Garrison pela “mudança” de fé começou quando, junto com sua esposa, passou cerca de 30 anos como missionários evangélicos no mundo muçulmano, vivendo entre estes grupos no Oriente Médio e no sul da Ásia.

 

“Deus nos deu um amor pelos muçulmanos e os achamos pessoas extremamente hospitaleiras ​​e que amam a paz, mas, que ao mesmo tempo, se opõem firmemente ao evangelho cristão”, relata. Ele diz que uma das principais razões para isso foi encontrada nas raízes do Islã.

 

“Enquanto muitas religiões rejeitaram a doutrina de Jesus como Messias ou o conceito da Trindade, o Islã foi a única religião mundial importante nascida com o cristianismo já em plena floração que se definiu conscientemente em oposição direta às doutrinas cristãs centrais da encarnação, expiando a crucificação, e ressurreição”, relata.

 

Garrison diz que “isso, em parte, explicava por que os muçulmanos pareciam tão resistentes ao que os cristãos viam como as boas-novas da mensagem do evangelho; estava no DNA de sua religião”.

 

Razões das conversões

 

Garrison mostra que nenhum fator solitário poderia explicar as conversões sem precedentes de hoje. Mas uma mistura de fatores passou a produzir um clima maduro para conversões generalizadas e em larga escala.

 

Ele aponta que alguns desses fatores estavam ligados ao aumento do foco dos cristãos evangélicos no mundo muçulmano.

 

1) aumento da oração pelos muçulmanos (sim, sei que isso pode parecer sem empolgação, e ainda assim não pude negar a estranha coincidência entre os 25 anos de história da um movimento mundial de oração pelos muçulmanos chamado “30 Dias de Oração pelo Mundo Muçulmano” e o surgimento de 84% de todos os movimentos muçulmanos em Cristo registrados em 14 séculos; até mesmo os céticos não puderam ignorar isso)

 

2) evangelismo intencional dirigido aos muçulmanos depois de séculos de cristãos lutando contra os muçulmanos ou evitando-os, e

 

3) aumento exponencial das traduções da Bíblia em línguas coloquiais faladas pelos muçulmanos.

 

Garrison também aponta outros fatores relacionados à vila global do século 21, como a Internet, televisão por satélite e rádio; diásporas globais entrelaçando populações muçulmanas e cristãs ao redor do mundo; e um contexto pós-colonial que permitiria aos muçulmanos considerar o evangelho à parte de suas armadilhas europeias anteriores.

 

“E depois houve os inesperados e muitas vezes contraintuitivos elementos que ressoaram repetidas vezes através dos testemunhos de seguidores de Cristo de origem muçulmana”, relata.

 

“Fiquei impressionado com quantos muçulmanos convertidos citaram elementos dentro do próprio Islã que os obrigou a deixar o Islã e buscar um relacionamento com Jesus”, diz.

 

Ele conta que vários muçulmanos devotos relataram: “Foi depois de ler o Alcorão em meu próprio idioma que percebi, pela primeira vez, que estava perdido”.

 

“Depois de séculos tendo apenas o Alcorão disponível no árabe do século VII marginalmente inteligível, os muçulmanos hoje estão encontrando traduções coloquiais do Alcorão que estão desmistificando seu livro sagrado e deixando muitos deles desejando algo diferente”, explica Garrison.

 

Sonhos com Jesus

 

Garrison relata ainda a questão dos sonhos que citados nos testemunhos de conversão dos muçulmanos. “Embora os sonhos tenham caído em descrédito no Ocidente, eles mantêm sua moeda na Casa do Islã. Uma frase comum encontrada em muitos testemunhos reunidos da África Ocidental ao Leste da Ásia começou com as palavras: ‘Eu tive um sonho …’”

 

Ele diz que, “como o próprio vento, esses sonhos vieram como sinais invisíveis de mudança. Para muitos, eles recordam as palavras de Jesus a um buscador noturno: ‘O vento sopra onde quer, e você ouve o seu som, mas não sabe de onde vem ou para onde vai. Assim é com todo mundo que nasceu do Espírito’ (João 3: 8)”.

 

Início das mudanças

 

Garrison conta que no começo era quase imperceptível a presença de cristãos saídos do Islã. “Em meados da década de 1990, eu tinha alguns colegas berberes que eram ‘ex-muçulmanos’, mas esses colegas de trabalho eram raros. Então, no início dos anos 2000, eu me vi trabalhando ao lado de vários evangelistas do sul da Ásia com nomes como Muhammad e Islam – todos testemunhando uma mudança em relação às suas antigas afeições religiosas”, conta.

 

Ele diz que colegas que trabalham em outros cantos do mundo muçulmano começaram a ecoar experiências semelhantes, com ex-muçulmanos agora se juntando aos seus esforços missionários na África Ocidental, Irã, várias Repúblicas da Ásia Central, Bangladesh, Índia e Indonésia, o maior país muçulmano do mundo.

 

“Algo estava acontecendo – enquanto o cristianismo estava em declínio em muitos países ocidentais e desaparecendo de suas raízes em grande parte do Oriente Médio, um vento soprava pela Casa do Islã”, constatou.

 

Garrison conta que no final da primeira década do século 21, relatos de conversões em grande escala de muçulmanos para a fé cristã estavam surgindo em muitos cantos da “Casa do Islã”.

 

“Dado o fato de que a conversão do Islã é uma ofensa capital em muitas comunidades muçulmanas tradicionais, esses relatos de movimentos substanciais mereceram atenção”, explica.

 

Pesquisa

 

Foi a partir desses fenômenos que Garrison, PhD pela Universidade de Chicago na História do Cristianismo, decidiu pesquisar os motivos da conversão dos muçulmanos ao cristianismo. Para isso, ele se propôs a visitar pessoalmente o maior número possível desses movimentos muçulmanos para a fé cristã, guiados por um questionário que revelaria os segredos do motivo pelo qual esses indivíduos arriscariam a vida para mudar sua lealdade religiosa.

 

O segundo motivo, diz Garrison, é que como historiador da Igreja com formação na Universidade de Chicago, eu sabia que precisaria explorar o contexto histórico dos movimentos muçulmanos para Cristo para ver se o que estava ocorrendo hoje era realmente único ou apenas uma oscilação de fé que havia ocorrido de tempos em tempos, como no fluxo e refluxo do islamismo do século 14.

 

Para isso, Garrison precisava definir seus termos e esclarecer o escopo do projeto. “Decidi me concentrar não em conversões muçulmanas individuais e aleatórias para o cristianismo, mas sim em unidades sociais mais amplas: os movimentos”.

 

Garrison diz que definiu um movimento como pelo menos 1.000 muçulmanos de uma comunidade etnolinguística particular que não apenas professou fé em Jesus como Cristo e Senhor, mas demonstrou voluntariamente essa fé através do ato do batismo, o que poderia “custar a essas pessoas o ostracismo de sua comunidade ou até mesmo morte física”.

 

Ele conta que, além de descrever com precisão os movimentos, queria saber por que eles estavam acontecendo. “Então, o cerne das minhas 21 perguntas foi uma que foi escrita na linguagem da fé compartilhada por mim e meus súditos: ‘O que Deus usou para trazer você à fé em Jesus Cristo? Conte-me sua história’”.

 

Ao longo dos três anos, Garrison visitou 44 movimentos em 29 países, da África Ocidental à Indonésia, coletando mais de mil entrevistas.

 

Onda de conversões

 

“A primeira metade do século 20 encontra o avanço do evangelho entre os muçulmanos distraídos por duas guerras mundiais, uma Grande Depressão e a ascensão do comunismo sem Deus em grande parte da Ásia”, conta Garrison.

 

Ele destaca que na Indonésia, um movimento rompe com cerca de dois milhões de muçulmanos batizados entre 1967-1971. “O século 20 concluiria com mais 10 movimentos em lugares tão diversos quanto Albânia, Argélia, Azerbaijão, Bangladesh e Irã”, aponta.

 

Esta onda de movimentos preparou o terreno para o século 21. “No final da minha pesquisa, em 2013, surgiram movimentos nascentes em todo o mundo muçulmano, com 69 movimentos completos florescendo. Relatos de outros pesquisadores da missão indicam que esse aumento nos movimentos continuou a crescer até o presente”, diz.

 

Garrison diz que “movimentos muçulmanos historicamente sem precedentes para Cristo estavam ocorrendo em nossos dias não estava mais em questão. O que restou foi entender o porquê [estava acontecendo]”.

 

Garrison é autor do livro “A Wind in the House of Islam”, lançado em 2014, que tentou responder a essa pergunta. Com base em centenas de entrevistas, o livro revelou o que poderia ser chamado de “plenitude de tempo” para os movimentos muçulmanos para Cristo.

 

 

Fonte: Guia-me com informações de Newsweek