PL que proíbe linguagem neutra em escolas é aprovado no MS

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Os deputados da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (Alems) aprovaram, em uma segunda votação, o Projeto de Lei (PL) que proíbe o uso de linguagem neutra em instituições de ensino, bancas examinadoras de seleções e concursos públicos. A votação se deu na última semana, e a proposta seguiu para sanção ou veto do governador Reinaldo Azambuja (PSDB).

De autoria do deputado Márcio Fernandes (MDB), o PL recebeu ao todo 14 votos favoráveis e apenas um contrário, do deputado Pedro Kemp (PT), que alegou não ser uma atribuição da Casa legislar sobre normas de linguagem.

– A língua é viva, é do povo – pontuou Kemp.

O deputado Amarildo Cruz, também do PT, não chegou a participar da votação, mas registrou que seu voto seria contrário ao projeto.

Na prática, o Projeto de Lei 212/2021 determina o uso da norma culta nas escolas e concursos, proibindo, consequentemente, o emprego de linguagem neutra ou inclusiva.

Para o deputado Márcio Fernandes, há outras prioridades a serem discutidas no aspecto social, mas ele ponderou que o assunto não poderia ser deixado de lado.

– Pode parecer estranho ter uma lei só para obrigar as escolas a ensinarem o que é certo, mas já tem gente querendo impor a linguagem neutra em todo lugar, sem debater com a sociedade e nem mesmo decidir entre eles se vai ser “todes”, “todxs” ou “[email protected]” – argumentou o parlamentar.

Ele também defende que “inclusão” abrange outras minorias, para além do público LGBTQIA+.

– E, para discutir inclusão, ainda temos muitas outras prioridades, como ter cardápios em braile, atendimento em libras, rampas de acesso nos estabelecimentos, entre outros. Eu continuo acreditando que o preconceito está nas pessoas, e não na linguagem – defendeu.

Na linguagem neutra, vogais “a” e “o” são geralmente substituídas por “e” ou “x”. Por exemplo, “todas” e “todos” são substituídas por “todes” e “todx”, que não são palavras masculinas nem femininas.

Fonte Pleno News

OUTRAS NOTÍCIAS