Policlínicas resolvem 98,7 por cento dos atendimentos

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

unnamed (10)As seis policlínicas da rede municipal de Feira de Santana prestaram, no ano passado, 430.854 atendimentos a adultos e crianças. Desse total, apenas 5.680, que correspondem a 1,3% das intervenções, foram transferidos para o Hospital Geral Clériston Andrade, Hospital Estadual da Criança ou para o Hospital Dom Pedro de Alcântara. A média mensal foi de quase 36 mil atendimentos.

 
Nestas unidades de saúde não são prestados atendimentos de alta complexidade, como atendimento a um paciente com derrame, por exemplo. E não tem como meta a internação dos pacientes, que permanecem naqueles locais por até 24 horas. Depois deste período, se ele não receber alta deve ser encaminhado aos hospitais, assim que surgir vaga.

 

A unidade do bairro Parque Ipê foi a que apresentou maior demanda, com 101.684 registros, seguida pela unidade do Tomba, com 89.247. Em seguida aparecem as unidades da Rua Nova, com 81.059, e do George Américo, com 70.271, Feira X com 69.808 e a de Humildes, com 18.821.

 

Dezembro foi o mês que apresentou maior demanda, com 61.167 atendimentos. Por outro lado, com relação às transferências, o maior número aconteceu em julho, com 623 casos. A unidade do Parque Ipê foi o que mais transferiu, com 1.376, que correspondem a 1,3% da demanda anual.

 

A Unidade de Pronto Atendimento 24h, da Mangabeira, no mês de dezembro fez 4.357 atendimentos. A secretária municipal de Saúde, Denise Mascarenhas, considerou os resultados altamente positivos. “Por termos uma equipe motivada e comprometida, os números mostram que a prestação do serviço nas policlínicas está dentro do que planejamos. Apenas são transferidos para os hospitais os casos que não temos condições de resolver”, explica.

OUTRAS NOTÍCIAS