Versículo do dia
Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas?

Porchat diz que ‘se brinca, sim’ com religião, e pastor reage: ‘Progressismo maligno’

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Fabio Porchat continua capitalizando em cima da polêmica em torno do Especial de Natal do Porta dos Fundos e publicou um artigo em que diz que “com religião se brinca sim”. O pastor Renato Vargens usou as redes sociais para publicar uma réplica ao humorista, enfatizando que até o humor tem limites.

 

“Sinto lhe informar, mas com religião se brinca sim. Com qualquer uma. Se brinca com religião, com futebol, com política, com a minha mãe, com o Detran, com o que você quiser. Isso não sou eu que estou dizendo, é a Constituição brasileira. A ‘lei de Deus’ não existe para o nosso país”, escreveu Porchat.

 

Ainda segundo o humorista, roteirista do filme A Primeira Tentação de Cristo, a compreensão de mundo é individual: “Como você leva a sua vida é problema seu; como eu levo a minha, meu”, afirmou, no artigo publicado no jornal O Globo.

 

Essa é mais uma manifestação do humorista em resposta ao repúdio do público aos ataques feitos à figura central da fé cristã. Anteriormente, ele havia usado do deboche para desqualificar as críticas: “Sempre achei fascinante a ideia de que as pessoas acreditam em algo que não existe, de guiarem a vida delas em cima do que elas acreditam e não pelo que elas sabem”.

 

Agora, com o ápice da tensão entre os humoristas e ativistas ateus do Porta dos Fundos, o pastor Renato Vargens, escritor e líder da Igreja Cristã da Aliança, pontuou que há limites até mesmo para liberdade de expressão.

 

“Defendo a liberdade de expressão, afinal de contas, graças a Deus, vivemos num Estado democrático de Direito. Contudo, o grupo Porta dos Fundos ultrapassou o limite da liberdade promovendo o achincalhe da fé cristã. […] O que Porta dos Fundos fez foi disseminar de forma intolerante e insaciável a ridicularização do cristianismo e seus adeptos”, avaliou.

 

Vargens também afirmou que Porchat e seus companheiros de humor usaram “da liberdade que temos para atacar milhões de brasileiros zombando e ridicularizando da fé que move tanto evangélicos como católicos”.

 

“Na verdade, esses senhores, que se dizem defensores dos valores democráticos, estão sendo movidos por um progressismo maligno, que visa a instalação do caos moral onde a ausência de valores cristãos é sine qua non à criação de uma sociedade efetivamente anticristã. Para tanto, os ‘comediantes militantes’ defendem uma agenda absorta em relativismo que tenta a todo custo desconstruir os valores judaico-cristãos da sociedade ocidental”, acrescentou o pastor.

 

“O que Porta dos Fundos defende não é o direito à comédia, mas o direito de atacar, vilipendiar bem como ridicularizar a fé de milhões de brasileiros, os quais rejeitam piadas e gracejos desprovidas de respeito e dignidade”, concluiu Renato Vargens.
Gospel +

OUTRAS NOTÍCIAS