Notícias do Mundo Gospel

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 10/12/2018

Porta dos Fundos volta a zombar de Jesus em Especial de Natal da Netflix

O grupo de humor Porta dos Fundos voltou usar as histórias bíblicas como pano de fundo de uma esquete de humor, porém dessa vez a iniciativa contou com apoio da plataforma de streaming Netflix, que exibirá um novo “Especial de Natal”.

 

O esquete dos humoristas faz uma paródia do filme Se Beber, Não Case usando Jesus e seus discípulos como personagens de uma noitada às vésperas da crucificação. Essa não é a primeira vez que os humoristas liderados por Fábio Porchat e Gregório Duvivier vilipendiam a fé cristã fazendo piada com a narrativa dos evangelhos.

 

O programa, que estreará na Netflix no próximo dia 21 de dezembro com o título Se Beber, Não Ceie, retrata a última ceia como uma festa regada a vinho produzido de forma “mágica” por Jesus (Porchat), numa alusão ao primeiro milagre operado por ele, assim como piadas com pães, ridicularizando a multiplicação que alimentou cinco mil pessoas.

 

No trailer, Jesus é retratado como um mágico beberrão e festeiro, que zomba dos próprios ensinamentos (como dar a outra face, por exemplo), e seus discípulos surgem como um bando de trapalhões inconsequentes, que embriagados, “perdem” o mestre e não sabem como encontrá-lo no dia seguinte à ceia.

 

Obsessão
Os especiais de Natal do Porta dos Fundos expressam uma obsessão dos humoristas com o significado da data, originada na tradição cristã. Em grande parte, os esquetes com deboche à fé cristã têm seus roteiros escritos pelo ateu Fábio Porchat e/ou Gregório Duvivier.

 

Em 2013, ano em que os humoristas se arriscaram de forma mais acintosa sobre o Natal, o esquete despertou grande polêmica e inúmeros protestos, gerando inclusive um bate-boca público entre o pastor Marco Feliciano e Duvivier.

 

No ano seguinte, o Porta dos Fundos decidiu que o alvo da zombaria seria o patriarca Abraão, com piadas também sobre Deus. As polêmicas em torno do Natal retornaram em 2016, quando o grupo usou o canal no YouTube para dividir os vídeos sobre a época em quatro episódios, todos eles com texto ridicularizando Jesus Cristo.

 
Gospel +