Prefeito de Feira de Santana permite realização de cultos religiosos neste fim de semana de ‘lockdown’

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Foto divulgação Avivamento Bíblico

Os cultos religiosos poderão ser realizados em Feira de Santana durante o período de restrição total decretado pelo governador da Bahia, Rui Costa. O prefeito de Feira de Santana, Colbert Martins Filho, informou ao Acorda Cidade que vai seguir o decreto estadual, porém fará algumas adaptações e entre elas estão a permissão do funcionamento das feiras livres e do centro de abastecimento e também a realização dos cultos religiosos. Os cultos devem ocorrer durante o horário estabelecido no decreto de Toque de Recolher, isto é, até as 19h30.

“Vou seguir o decreto como fizemos da outra vez, mas se tivermos que fazer algumas observações o faremos no entendimento de que Feira de Santana pode contribuir da mesma maneira como no primeiro decreto do governo que não permitia delivery de alimento e agora o governador incorporou no novo decreto. Dessa forma podemos acrescentar algo como a questão da liberdade dos cultos religiosos, e pretendo mantê-los da mesma forma porque entendo que esses pastores e padres tomam conta muito bem do seu rebanho”, afirmou.

Por conta do aumento no número de casos graves de pessoas com covid-19 e para reduzir o contágio da doença, ficam suspensas todas as atividades que não estejam relacionadas à saúde pública, alimentação e segurança em toda a Bahia, a partir das 17h de sexta-feira (26) até as 5h da segunda-feira (1º). A medida terá início gradual às 17h de sexta, com o fechamento do comércio de rua.

Às 18h, bares e restaurantes com atendimento presencial devem fechar e, às 19h, os shoppings, galerias e demais centros comerciais. Essa diferença de horário serve para escalonar o uso do transporte público e evitar aglomerações nos veículos. Os estabelecimentos deverão encerrar suas atividades com até 30 minutos de antecedência, de modo a garantir o deslocamento de seus funcionários às suas residências.

Fonte:Acorda Cidade-

OUTRAS NOTÍCIAS