Versículo do dia
Estendo para ti as minhas mãos; a minha alma tem sede de ti como terra sedenta. (Selá)

Prefeitura assina contrato emergencial com empresas de ônibus

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Coletiva Transporte - medida emergencial - foto Silvio Tito (3)As empresas Auto Ônibus São João Ltda e a Empresa de Ônibus Rosa Ltda, que venceram a licitação para explorar o sistema de transporte urbano de Feira de Santana, assinaram contrato emergencial com a Prefeitura e vão operar este setor nos próximos seis meses. A expectativa é de que a partir da quarta-feira, dia 26, os ônibus já estejam em circulação.

 

Até lá, vans alimentadoras do sistema foram autorizadas a fazer o transporte nas linhas regulares; toda a frota de taxi pode atuar como lotação até a sua capacidade de carga; os veículos regularizados que fazem o transporte de passageiros dos municípios próximos também foram liberados; neste período emergencial, para que sejam usados em Feira. A cidade também conta com 500 mototaxistas autorizados.

 

O transporte público urbano de passageiro em Feira de Santana foi interrompido por decisão unilateral das empresas que operavam o setor, a Princesinha e a 18 de Setembro. O contrato emergencial, de seis meses, firmado com a Prefeitura, seria encerrado na próxima terça-feira, 25.

 

Em coletiva na tarde desta terça-feira, 18, o prefeito José Ronaldo de Carvalho, acompanhado pelos representantes das empresas paulistas, Rodrigo Rosa, da Rosa Ltda, e Gerson Nostri, da São João Ltda, o presidente do Sindicarfs (Sindicato dos Rodoviários de Feira de Santana), Alberto Nery, apresentaram o plano de ação para o período. “O que a gente deseja é que o transporte seja restabelecido no mais curto espaço de tempo”, afirmou o prefeito.

 

Os empresários afirmaram que os veículos, cerca de 170, foram conseguidos com empresas do Rio de Janeiro e de São Paulo e devem demorar alguns dias para chegar ao município. Como o período é emergencial, os ônibus, disseram, são usados e as suas idades variam entre dois e dez anos de uso. “Foi a saída para que a população não ficasse sem transporte por um tempo ainda maior”, afirmou o prefeito.

 

Rodrigo Rosa disse que mesmo tendo seis meses para efetuar a mudança para o contrato de dez anos, as empresas tem interesse em antecipar a troca dos veículos que serão usados a partir da próxima semana por outros zero quilômetro, como prevê o contrato. “Os novos ônibus já foram pedidos e à medida que as indústrias nos entregar vamos fazer esta troca, paulatinamente”.

 

Gerson Nostri afirmou que as empresas não poderiam ficar distantes do problema. “Nos colocamos à disposição para que o problema fosse resolvido”. Ainda nesta semana situações pertinentes ao sistema local, como o uso do smart card, serão debatidos entre as partes. O presidente do sindicato dos rodoviários, Alberto Nery, afirmou que, para o momento, a solução encontrada foi a melhor. Os empresários garantiram que os funcionários serão contratados.

OUTRAS NOTÍCIAS