Versículo do dia
Pela fé, também a mesma Sara recebeu a virtude de conceber e deu à luz já fora da idade; porquanto teve por fiel aquele que lho tinha prometido.

Presidente filipino quer matar 3 milhões de drogados, “assim como Hitler fez com os judeus”

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

00000  4O controverso presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte comparou-se ao líder nazista alemão Adolf Hitler, por causa de seu plano de matar 3 milhões de usuários de drogas em seu país. A declaração atraiu a indignação e o repúdio de diversos grupos judaicos.

 

A Reuters relatou que durante um discurso na cidade de Davo nesta sexta-feira (30), Duterte disse: “Há 3 milhões de viciados em drogas [nas Filipinas]. Eu ficaria feliz em matá-los”.

 

“Se a Alemanha teve Hitler, as Filipinas teriam …”, acrescentou o presidente, parando de falar para apontar a si mesmo como um tipo de “exterminador”.

 

“Vocês conhecem as minhas vítimas. Gostaria que todos eles fossem criminosos para que eu pudesse acabar com o problema do meu país e salvar a próxima geração da perdição”, disse.

 

Duterte tomou uma posição dura contra o tráfico de drogas e outras atividades criminosas nas Filipinas, desde que assumiu o poder em maio, mas foi acusado por grupos de vigilância de cometer violações dos direitos humanos, após ordenar a morte de mais de 3.100 usuários e traficantes.

 

Ele também encontrou-se em maus lençóis com líderes mundiais, quando o presidente dos EUA, Barack Obama, que cancelou no início de setembro, uma reunião programada com Duterte por causa das observações altamente ofensivas que o presidente Filipino havia feito anteriormente.

 

Duterte já havia advertido o presidente Obama para não criticá-lo pelas mortes dos usuários de drogas.

 

“Eu sou o presidente de um Estado soberano e temos que deixar de ser uma colônia. Não tenho qualquer patrão, exceto o povo filipino, ninguém mais. Você deve ser respeitoso. Não basta jogar perguntas”, disse o presidente Filipino a Obama que chegou a usar um palavrão em sua língua nativa, correspondente à algo como “filho da p***”.
Repúdio
Vários grupos judaicos expressaram sua indignação diante dos comentários mais recentes de Duterte, no qual ele se comparou a Hitler.

 

“O que o presidente Duterte disse não é apenas profundamente desumano, mas demonstra um desrespeito terrível para com a vida humana, que ele realmente deveria respeitar como um líder democraticamente eleito em um grande país”, disse o presidente do Congresso Mundial Judaico, Ronald S. Lauder, segundo relatos da BBC News.

 

O rabino Abraham Cooper, diretor de ‘Centro de Combate ao Terrorismo Digital e ao Ódio’, Simon Wiesenthal, acrescentou que “Duterte deve um pedido de desculpas às vítimas do Holocausto judeu por sua retórica nojenta”.

 

A Liga Anti-Difamação argumentou que os comentários de Duterte foram “chocantes para seu e ensurdecedores”.

 

“A comparação entre usuários e traficantes às vítimas do Holocausto é inadequada e profundamente ofensiva”, disse Todd Gutnick, diretor de comunicações do grupo. “É desconcertante que qualquer líder deseje modelar-se com base na conduta de um monstro”.

 

A BBC também lembrou que Hitler teria levado cerca de 6 milhões de judeus à morte, bem como outras minorias étnicas.

 
Blasfêmia

 
Em outros comentários controversos, feitos no início desta semana, Duterte, que se descreve como um ‘crente em Deus que rejeita a religião’, perguntou por que Deus não age com uma internvenção, impedindo que crianças sejam estupradas e mortas.

 
“Onde está Deus agora, quando um bebê de 1 ano de idade, um bebê de 18 meses é tomado dos braços da mãe, levado para debaixo de um jipe, estuprado e morto? Então, onde está Deus?”, ele perguntou, como parte dos comentários mais amplos sobre a repressão ao crime em seu país.

 
GUIAME

OUTRAS NOTÍCIAS