Preso por matar mulher e enteada se passou por morador de rua durante fuga e pediu ajuda em igreja, diz polícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

O psicólogo de 36 anos que foi preso depois de confessar ter matado a mulher de 34 anos e a enteada, de apenas 9 anos, em Pompeia (SP), se passou por morador de rua durante sua fuga e pediu ajuda em uma igreja evangélica no estado de Mato Grosso do Sul, informou a Polícia Civil.

Segundo o delegado Cláudio Anunciato Filho, Fabrício Buim Arena Belinato chegou a pedir abrigo a uma igreja em uma cidade do Mato Grosso do Sul como se fosse um morador de rua. O município não foi informado. Ele fez todas as refeições diárias e higiene pessoal na instituição enquanto estava foragido.

Cristiane Pedroso dos Santos Arena e a filha Karoline Vitória dos Santos Guimarães estavam desaparecidas desde o fim do ano passado. Os corpos delas foram encontrados enterrados no quintal da casa onde moravam, no dia 2 de fevereiro, sob um contrapiso de concreto.

Outra filha de Cristiane, uma adolescente de 16 anos, foi apreendida suspeita de participar do assassinato por estar apaixonada pelo padrasto, segundo a Polícia Civil. Ela confessou ter ajudado a enterrar a mãe e a irmã, mas nega participação nos assassinatos.

Durante o período em que estava foragido, a polícia obteve informações de que Fabrício havia sido visto passeando pelo centro de Bataguassu, na divisa com o estado de São Paulo, e depois ele teria ido à Campo Grande, capital sul-mato-grossense.

Após denúncia, o suspeito acabou sendo capturado em 8 de fevereiro enquanto trabalhava em uma obra.

G1 _- Foto  divulgação arquivo

OUTRAS NOTÍCIAS