Versículo do dia
Pois tu, Senhor, és bom, e pronto a perdoar, e abundante em benignidade para com todos os que te invocam.

Procon exige que shopping instale cobertura

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

imagesCom base na lei que obriga a existência de cobertura nos estacionamentos, o Procon notificou o Boulevard Shopping e deu prazo de 30 dias para uma resposta. Depois serão mais 90 dias para executar o serviço de cobertura.

 

 

De acordo com a superintendente do Procon, Suzana Mendes, caso o estabelecimento não faça a cobertura, poderá receber multas e até mesmo ser penalizado com cassação do alvará de funcionamento.

 

 

“Os primeiros 30 dias de descumprimento resultam em R$ 10 mil de multa, 60 dias de descumprimento resultarão em R$ 30 mil de multa”, detalha Suzana.

 

 

Apesar de estar baseando a fiscalização na lei que trata da cobertura, a superintendente ainda tem a expectativa de que o município consiga na Justiça validar a lei aprovada em outubro a toque de caixa, votada na Câmara em dois turnos em um dia e sancionada pelo prefeito José Ronaldo no outro, que dava três horas de gratuidade a quem comprasse qualquer coisa.

 

 

Quanto aos demais estabelecimentos que descumprem a exigência de cobertura, o coordenador de fiscalização, Itaracy Pedra Branca, disse que o Procon está se preparando para fiscalizar e até mesmo usando a experiência com o shopping para se embasar melhor e definir a melhor forma de fiscalizar.

 

 

AÇÃO JUDICIAL

 

 

A procuradoria do município contesta a liminar concedida pelo juiz Roque Araújo, que suspendeu os efeitos da lei e reconheceu o direito do shopping de cobrar. decisão do Juiz de Feira de Santana. “A lei trata de consumo e consumidor. Quem comprar tem isenção. Mas o juiz da Fazenda Pública entendeu que apesar de ter um traço consumerista, o direito civil prevalece, o direito ao patrimônio e de reger o seu patrimônio. Porém todas as leis que existem no Brasil referentes a isso não tratam do consumo, então nossa esperança está aí, para que este diferencial possa prevalecer ao nosso favor”, comenta.

 

 

O Boulevard declarou à Tribuna Feirense por meio de sua assessoria de imprensa que “a cobrança é matéria de direito civil e, portanto, não é legislada pelos municípios e sim no âmbito federal”.

 

 

Eles pagam ISS com alíquota de 5%, por estimativa sob faturamento. Mas segundo o secretário, um terço está com o pagamento atrasado.

 

 

Não estão em débito só com o governo. Um funcionário de um estacionamento na Avenida Senhor dos Passos, que preferiu não se identificar, elencou uma série de queixas que segundo ele são válidas para o local onde trabalha e para muitos outros do mesmo ramo.

 

 

“A maioria dos funcionários não é registrado, não tem carteira assinada, alguns apenas recebem o salário. Não temos hora fixa, trabalhamos de sol a sol, se o comércio estiver aberto, nós trabalhamos de domingo a domingo”, protesta.

 

TRIBUNA FEIRENSE

OUTRAS NOTÍCIAS