Versículo do dia
Verdadeiramente, ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputamos por aflito, ferido de Deus e oprimido.

Professores devem evitar que crenças pessoais interferiram em sala de aula

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

“Devemos nos preocupar em não trazer os reflexos das nossas crenças para a formação dos alunos”. A orientacao é da professora Rosenaide Gonçalves Santos Souza, da Rede Municipal de Educação. Ela sugeriu o debate em torno de gênero e sexualidade, no 3º Encontro Formativo com Professores das Salas de Recursos Multifuncionais, realizado nesta quinta-feira, 24. O evento foi realizado na sede da Secreraria de Educação.

 

Os professores das Salas de Recursos Multifuncionais atuam no atendimento aos alunos com deficiências. “Re-conhecer as diferenças: quando novas redes de afetos importam”, foi a temática do encontro. O objetivo principal é ampliar a discussão, entre os profissionais que lidam diariamente com crianças, sobre as diferentes formas de expressão comportamental voltadas ao gênero e à sexualidade.

 

De acordo com Rosenaide, a necessidade do debate surgiu a partir de uma inquietação pessoal dela própria, ao compartilhar ideais e conceitos com outros professores. “Percebi que não entendia muito bem sobre o tema e isso me incomodava. Conversando com outros colegas, eles demonstraram ter as mesmas dúvidas e vontade de aprender. Então achamos pertinente falar sobre isso”. Na visão da professora, os profissionais da Educação têm a tendência de levar os conceitos pessoais para a sala de aula e enfrentam o medo de errar no que se refere a questão tão delicada.

 

“Tenho medo de parecer discriminatória por conta do que ainda não conheço. Por isso, acho importante que busquemos nos adaptar, atualizar e conhecer diferentes realidades, para que nossos alunos se sintam sempre incluídos. Afinal, quem trabalha em Sala de Recursos trata diretamente da inclusão social”, diz Rosenaide.

 

O debate foi orientado pelo professor Wendell Ferreira, da Universidade Estadual de Feira de Santana. “Alunos de Sala de Recurso já possuem suas especificidades. É necessário que não esqueçam que muitas outras podem existir”, opina. Os professores, segundo ele, tem se mostrado dispostos a aprender. “Manter a mente aberta para as diferenças é papel de quem está na escola para educar”, defende.

 
Secom

OUTRAS NOTÍCIAS