Versículo do dia
De todo o meu coração te busquei; não me deixes desviar dos teus mandamentos.

Promotora pede condenação do pastor Marco Feliciano por suposto ódio contra LGBTs

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

A promotora Anna Trota Yaryd quer a condenação do pastor Marco Feliciano (Republicanos-SP) por, supostamente, usar seu mandato na Câmara dos Deputados para fazer proselitismo religioso e estimular a violência contra LGBTs. O parlamentar, que cumpre seu terceiro mandato, é um dos principais representantes do segmento evangélico no Poder Legislativo.

O Ministério Público de São Paulo pediu a condenação do pastor Marco Feliciano em um processo aberto contra ele pela ONG Ação Brotas pela Cidadania e Diversidade Sexual (ABCD’s). A promotora Anna Trota quer que a Justiça o sentencie a pagar R$ 100 mil de indenização por danos morais coletivos.

Na percepção da promotora, Feliciano teria se manifestado de forma discriminatória e preconceituosa, “demonstrando seu desprezo e ódio por um segmento vulnerável da população”.

Conforme informações do portal Uol, a promotora cita no processo que Feliciano exibiu, em sessão plenária da Câmara dos Deputados em 2015, a pretexto de defender a proibição da Parada Gay, cartazes com fotos que seriam falsas e não tinham relação alguma como o evento.

Em um dos cartazes haviam pessoas quebrando a imagem de uma santa católica, enquanto em outro, uma pessoa inseria um crucifixo no ânus. A promotora Anna Trota entende que o deputado terminou por acirrar a intolerância e discriminação contra a comunidade LGBT, e por causa disso, o transexual Viviany Beleboni – que desfilou seminu fantasiado de Jesus crucificado na Parada Gay – teria sido alvo de violência física.

“Ao se posicionar expressamente contra a Parada Gay, deixa nítida a finalidade de limitar a cidadania e demonstra que se opõe à existência pública das pessoas LGBT”, alega a promotora, antes de acrescentar que Feliciano “faz do parlamento palco de perpetuação de visões negativas e inverossímeis sobre as pessoas LGBT”

Em sua defesa, o pastor nunca pretendeu atingir a honra da comunidade LGBT ou de Viviany Beleboni, e acrescenta que não fez discurso de ódio ao se valer do direito à livre manifestação do pensamento e de liberdade religiosa: “Fiz, sim, duras críticas políticas e ideológicas sobre a atuação da comunidade LGBT, mas dentro dos limites impostos pela lei”, argumentou Feliciano.

Além disso, a defesa do pastor acrescenta que o pedido de condenação apresentado pela promotora Anna Trota Yaryd representa um atentado contra o Estado Democrático de Direito, já que enquanto deputado, a Constituição Federal garante a ele imunidade parlamentar, o que inclui a autonomia para se manifestar sobre temas delicados e polêmicos.

Gospel +

OUTRAS NOTÍCIAS