Versículo do dia
Como a cidade derribada, que não tem muros, assim é o homem que não pode conter o seu espírito.

Quase 80 mulheres participaram de mutirão para inserção do DIU

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Nos últimos meses, cerca de 80 mulheres colocaram o DIU (Dispositivo Intra-uterino), durante mutirão encerrado nesta semana e realizado pela Secretaria de Saúde. Contraceptivo, o dispositivo deixa o ambiente do útero hostil ao espermatozoide. É considerado um dos métodos mais eficientes de se evitar uma gravidez.

 

Os atendimentos foram realizados semanalmente, sempre as quintas-feiras, pela médica Rita Rios, referência da Saúde da Mulher da SMS, que vê vantagens no aparelho, que foram colocados em dez mulheres, por dia. “Não há descarga hormonal no organismo, é seguro e fácil de colocar”.

 

As chances de uma mulher engravidar usando o DIU é de apenas 0,2%. Mas, reconhece a médica, existem resistências por parte de algumas mulheres, derivadas do desconhecimento deste método eficiente para evitar a gravidez.

 

Outro ponto positivo, afirma, é que todas as mulheres em idade fértil, de todas as idades e com vida sexual ativa, podem usar o método contraceptivo sem problemas, entre cinco e dez anos. Entretanto, diz a médica, é necessário que anualmente a pessoa se submeta a uma revisão.

 

A inserção do DIU se dará mediante a realização de preventivo – com menos de seis meses da data prevista para a colocação do aparelho, e a apresentação do exame Beta, de sangue, que detecta ou não uma gravidez.

 

Mãe de uma criança, 18 anos, Thailanne Rios, que mora no Feira VII, colocou o DIU pela primeira vez nesta semana. “Vou estar tranquila com relação a gravidez e também não vou precisar tomar nenhum tipo de pílula ou injeção”, diz a jovem. Revelou que antes sentiu medo. “Mas estava mesmo era desinformada”.

 

A dona de casa Ana Paula Batista, dois filhos, e que colocou o DIU recentemente, disse que o dispositivo vai mudar a sua rotina de prevenção. “Vou eliminar a injeção e os hormônios da minha vida”.

 

A enfermeira Adele Lima, do PSF Feira VII 2, onde os DIUs foram inseridos, disse que antes, as mulheres foram informados sobre o procedimento, bem como a necessidade de se fazer periodicamente as revisões que garantirão eficiência e a durabilidade anunciada dos dispositivos.

 

Secom

OUTRAS NOTÍCIAS