Rádio continua como meio preferido para ouvir música

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

vinilOs serviços de streaming de música Deezer, Google Play Music, Napster, Rdo e Spotify encomendaram uma pesquisa junto ao instituto de pesquisa online Opinion Box para saber da população qual o meio é o preferido para ouvir músicas. O levantamento apontou que o rádio segue soberano na preferência dos ouvintes, sendo a principal opção para mais de 76% dos participantes da pesquisa. Apesar de novo, os serviços de streaming já respondem por 28,2% dos pesquisados.

 

O Opinion Box realizou a enquete inédita no mercado brasileiro. Foram ouvidas 1.112 pessoas acima de 18 anos e de todos os estados brasileiros (690 homens e 503 mulheres). O principal dado divulgado é que entre os usuários de streaming, a pirataria de música é 31% menor em relação a quem não usa os serviços.

 

O levantamento apontou que o rádio ainda é o meio preferido pela maioria das pessoas para ouvir música (76,4%), seguido das plataformas de vídeo online (73,7%), MP3 (72,8%), CD (60,1%), televisão (48,2%), streaming (28,2%) e vinil (8,2%). Apesar de estar na lanterna, o streaming, que chegou recentemente ao mercado brasileiro, está se tornando mais conhecido; 56,5% dos entrevistados disseram conhecer o segmento e entre os mais ligados em tecnologia, 40,9% disseram usar o serviço todo dia e 40,6%, ao menos uma vez por semana.

 

O número é próximo ao divulgado pela Pesquisa Brasileira de Mídia 2015 (PBM 2015), da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (Secom), realizada pelo Instituto Ibope. Segundo o PBM 2015, 80% das 18.312 pessoas pesquisadas em 848 municípios em todo o Brasil, preferem ouvir rádio, sendo que 30% ouvem rádio diariamente.

 

Quanto aos locais e momentos em que ouvem música, a casa é disparado o local preferido: 78,8% das menções (sendo que 45,5% curtem um som enquanto estão na faxina de sua residência). Na sequência, os locais/situações onde a música está mais presente são: trabalho (33,7%), trânsito (33,6%), academia (28,8%), estudo (21,4%) e festa (13,7%).

 

Analistas que avaliaram os resultados do estudo afirmaram que a pirataria está mais ligada à questão econômica, de consumidores que desejam acesso ao conteúdo por um preço menor, e, por isso, o streaming não deixa de ser uma forma de tirar ouvintes dessa prática ilegal. As empresas de streaming citadas compõem o Comitê de Desenvolvimento da Música Digital no Brasil.

 

Fonte: Na Telinha Com informações do Meio & Mensagem

OUTRAS NOTÍCIAS