Versículo do dia
Mas o que a não soube e fez coisas dignas de açoites com poucos açoites será castigado. E a qualquer que muito for dado, muito se lhe pedirá, e ao que muito se lhe confiou, muito mais se lhe pedirá.

Remédios comuns podem agravar insuficiência cardíaca, diz associação

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

33ca3229-b237-45ae-9cf8-133bf654ed93

Muitos medicamentos comuns – prescritos, vendidos sem receita ou fitoterápicos – podem agravar a insuficiência cardíaca, por isso é importante que pacientes relatem aos médicos tudo o que estão tomando. É o que orienta uma declaração científica feita pela Associação Americana do Coração (AHA, na sigla em inglês) esta semana.

 
A insuficiência cardíaca é a principal causa de hospitalização para pessoas com mais de 65 anos e os pacientes nesta situação tomam, em média, sete medicamentos prescritos por dia.

 
Mais de um terço dos pacientes com insuficiência cardíaca também tomam fitoterápicos, que são medicamentos feitos à base de plantas, dois terços tomam vitaminas e sete a cada oito usam remédios vendidos sem receita.

 
O médico Robert L. Page II, um dos autores da declaração da AHA, disse à Reuters por e-mail: “Quando um paciente toma ao menos quatro medicações, o risco de uma interação entre as drogas aumenta para 38%; esse número aumenta para 82% quando os pacientes tomam sete ou mais medicamentos, o que vários pacientes de insuficiência cardíaca fazem.”

 
Polifarmácia

 
A combinação de várias prescrições, chamada de polifarmácia, e a presença de muitas doenças torna os pacientes com insuficiência cardíaca particularmente vulneráveis a interações entre drogas que podem levar a hospitalizações e até morte.

 
Para ajudar a evitar essas consequências, a AHA criou um guia para medicamentos prescritos, medicamentos de venda livre e produtos de medicina alternativa que podem agravar a insuficiência cardíaca.

 
“Os pacientes ficariam surpresos de saber que drogas de venda livre comumente usadas para tratar dor e azia pode levar a retenção de líquido e agravar os sintomas. Pacientes também ficariam surpresos de saber que muitos produtos feitos a partir de ervas podem afetar o metabolismo dos medicamentos para insuficiência cardíaca de forma potencialmente perigosa”, afirmou o médico Kumar Dharmarajan, da Escola de Medicina da Universidade Yale à Reuters.

 
“Pacientes não devem presumir que medicamentos de venda livre e remédios complementares são seguros apenas porque estão disponíveis sem prescrição”, disse. “Eles devem consultar seus médicos antes de começar a mudar suas medicações.”

 
As recomendações foram publicadas na edição de 11 de julho da revista científica “Circulation”.

 
FONTE: g1.globo-Da Reuters

OUTRAS NOTÍCIAS