Versículo do dia
Ora, o Deus de esperança vos encha de todo o gozo e paz em crença, para que abundeis em esperança pela virtude do Espírito Santo.

Sargento Isidório quer proibir uso da palavra “Bíblia” em publicações não cristãs

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

O deputado federal Sargento Isidório, que é pastor evangélico, protocolou um projeto de lei que vista proibir o uso da palavra “Bíblia” fora do contexto religioso.

 

A proposta em análise na Câmara dos Deputados prevê pena de até 5 anos de reclusão para quem usar a palavra fora do contexto das religiões cristãs em publicações impressas ou eletrônicas.

 

Segundo o texto do PL 2/19, essas palavras só poderão ser usadas para se referir aos livros, capítulos e versículos considerados sagrados pelas religiões cristãs. Há previsão de pena de prisão similares aos dos crimes de estelionato (reclusão de 1 a 5 anos) e ofensa a culto religioso (detenção de 1 mês a 1 ano).

 

O pastor Sargento Isidório (Avante-BA) afirmou que a proposta pretende evitar que alguns segmentos sociais, “intolerantes com a manutenção da verdade religiosa”, passem a utilizar as palavras “Bíblia” e “Bíblia Sagrada” para se referir aos seus próprios livros de ética.

 

“Queremos prevenir mais uma violência contra os cristãos brasileiros. É o caso da polêmica do livro em edição que se especula chamar ‘Bíblia gay’. Há indícios de que tal livro pretende tirar referências que condenam o homossexualismo. Seria uma verdadeira heresia e total desrespeito às autoridades eclesiásticas”, argumenta o deputado.

 

Isidório afirma ainda que esse tipo de publicação abriria precedente para o surgimento de outros livros apelidados de Bíblia para segmentos como “homicidas, adúlteros, prostitutos e mentirosos”, segundo informações da Agência Câmara de Notícias.

 

“Ou seja, livros chamados de bíblia para livrar todo tipo de pecadores”, acrescenta o parlamentar, que aguarda a tramitação do projeto nas comissões de Cultura, de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ), e posteriormente, em votação no Plenário da Câmara.
Gospel +

OUTRAS NOTÍCIAS