Secretaria de Saúde detecta 104 novos casos de HIV, sífilis e hepatites

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Da quantidade de exames realizados no mês de dezembro, dez por cento tiveram resultado positivo

Em Feira de Santana, 966 testes rápidos para diagnóstico das Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) foram realizados durante a campanha Dezembro Vermelho. Deste total, 78 tiveram resultado positivo para sífilis, 22 para o HIV e outros 4 para hepatites virais – o que representa um percentual de 10%. Os dados são da Secretaria Municipal de Saúde.

Os pacientes diagnosticados estão sendo acompanhados pelo Centro Municipal de Referência em IST/HIV/AIDS, no Centro de Saúde Especializada Dr. Leone Coelho Lêda (CSE), que atende mais de 3 mil pessoas por meio de uma equipe multidisciplinar composta por médicos infectologistas, obstetras, ginecologista e pediatra, além de uma equipe de enfermeiros, psicólogos, odontólogos, assistente social e nutricionista.

Anualmente o órgão realiza a campanha Dezembro Vermelho, que chama atenção para a prevenção, diagnóstico precoce do HIV e do tratamento contra a Aids, além de outras infecções sexualmente transmissíveis. Este ano, também reforçou quanto a proteção dos direitos das pessoas infectadas e as medidas de prevenção – o preservativo é uma medida simples que pode evitar o contágio, método disponibilizado gratuitamente em qualquer unidade de saúde.

Para adquirir é bem simples e basta solicitar na recepção do Centro de Referência ou em qualquer Unidade Básicas de Saúde e de Saúde da Família. Nestes locais também é possível realizar teste rápido, que apresenta o resultado em menos de trinta minutos.

Além do preservativo, o município dispõe de outros métodos de prevenção, como a Profilaxia Pós-Exposição ao HIV (PEP), medicação que pode ser tomada até 72h após a exposição a uma situação de risco.

O serviço pode ser encontrado no Centro de Referência IST/HIV/AIDS, nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) dos bairros Queimadinha e Mangabeira, no Hospital Clériston Andrade (HGCA) e no Hospital Estadual da Criança (HEC).

OUTRAS NOTÍCIAS