Versículo do dia
E ninguém, acendendo uma candeia, a cobre com algum vaso ou a põe debaixo da cama; mas põe-na no velador, para que os que entram vejam a luz.

Secretário-geral da Missão Portas Abertas ministrou palestras na Igreja Batista Missionária Internacional

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

999Marco Cruz, secretário-geral da Missão Portas Abertas no Brasil, esteve em Feira de Santana este final de semana (22 e 23) de outubro, na Igreja Batista Missionária Internacional (IBMI), e falou sobre a perseguição aos cristãos no mundo e o trabalho da Missão Portas Abertas. O pastor João Batista da Silva, presidente da entidade, enfatizou a importância da intercessão a favor dos missionários ao redor do mundo, e da igreja perseguida.

 

A programação começou no sábado (22), às 8h30, com um café da manhã da AMIPE para pastores e lideres. Já às 19h30, o encontro será com os jovens da IBMI. No domingo (23), foi dado a última palestra, às 18 horas, no Culto de Celebração. As palestras foram abertas à população para todos os cristãos que estiveram na Igreja Batista Missionaria Internacional (IBMI) na Rua Ametista, 147, na Brasília.

 

Marco Cruz é conhecido pelo trabalho desenvolvido na Missão Portas Abertas Brasil – organização cristã internacional – que atua em sigilo no fortalecimento de cristãos perseguidos no mundo. Marcos Cruz traz em sua trajetória experiências marcantes, entre elas a de ter morado três anos na China acompanhando de perto o sofrimento dos cristãos e dos missionários.

5

Presente em 60 países, a Missão Portas Abertas fortalece a Igreja Perseguida por meio de oração, contribuição, divulgação e ajuda humanitária. De acordo com a organização, os países mais hostis aos cristãos são: Coreia do Norte, Somália, Síria, Iraque, Afeganistão, Arábia Saudita, Maldivas, Paquistão, Irã e Iémen.

 

A Missão Portas Abertas foi criada pelo holandês, Anne van der Bijl, apelidado de Irmão André, o “Contrabandista de Deus”, conhecido por percorrer 321 mil quilômetros com seu fusca cheio de Bíblias e folhetos nos países do regime comunista na década de 1950. A experiência na Rússia e nos países da Europa é narrada com precisão e de forma surpreendente no livro o Contrabandista de Deus.

 

Portal Cidade Gospel

OUTRAS NOTÍCIAS