Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 01/11/2019

Sexo foi criado para o prazer, não apenas para reprodução, diz sexóloga cristã

A compreensão sobre o prazer sexual dentro do casamento é um tema de debate inesgotável no meio cristão, em especial no segmento evangélico. Ciente disso, a sexóloga Aryanne Marques, 33 anos, vem atuando para expor pontos de vista a respeito do assunto entre os fiéis.

 

Apelidada de “sexóloga de Cristo”, Aryanne realizou uma palestra durante a Expo Cristã no último dia 18 de outubro, com o tema “Sexualidade à Luz da Bíblia”, e abordou aspectos variados do tema dentro da perspectiva do casamento.

 

“Nos tempos da Bíblia existia preliminar, beijo na boca, amasso, aconchego, acolhimento”, introduziu Aryanne, antes de acrescentar que o sexo foi criado por Deus não apenas para fins reprodutivos, mas também para o prazer.

 

“Sexo é o vínculo afetivo mais precioso que Deus deixou na Bíblia para homem e mulher casados”, afirmou. “Em Cantares [de Salomão], a Bíblia fala: ‘que os teus lábios me cubram de beijos, pois teu amor é melhor que o vinho’”, disse, reforçando sua argumentação.

 

Formada sexóloga clínica, Aryanne fez especialização em teologia para abordar o assunto com propriedade no meio evangélico. E diz que até concluir o curso, se manteve em silêncio: “Comecei a estudar sexualidade escondido da igreja”, diz ela, membro da igreja Comunidade das Nações, de Taguatinga (DF).

 

“Nos primeiros 4 ou 5 anos eu lia livros sobre sexo, fazia cursos, mas minha intenção era salvar o meu casamento, cuidar da minha sexualidade, que era mal resolvida”, acrescentou a palestrante, que substitui o termo vagina por “preciosa”.

 

Tema espinhoso, estratégia ousada: Aryanne se vale do humor para que sua plateia se permita refletir sobre suas ideias. E, aparentemente, funciona, já que segundo a Folha de S. Paulo, a plateia na Expo Cristã riu quando ela sugeriu às mulheres “esquentarem” a “preciosa” no banheiro antes do sexo: “Porque o homem já chega querendo colocar o carro na garagem, mas sem estímulo é igual a descer tobogã sem água. A gente queima os cotovelos tudo”.

 

Enquanto se aprofundava no assunto, lamentou a cultura estabelecida no meio evangélico que considera o prazer sexual algo pecaminoso, mesmo dentro do casamento: “O cristão criou uma cultura de que alimentar a carne é pecado, de que tudo tem que ser espiritual. Biblicamente a gente não encontra essa tese, pelo contrário. Eu poderia citar vários versículos que incentivam o prazer no sexo”, pontuou.

 

Outro trecho citado pela “sexóloga de Cristo” é Eclesiastes 9:9: “Desfruta a vida com a mulher que amas, todos os dias da tua vida vã”.

 

Mesmo embasando seu trabalho com conhecimento teórico e teológico, Aryanne afirmou que sofre muitos ataques de irmãos na fé, mas tem no marido um parceiro que a ajuda a relevar isso. “Já fui chamada de tudo, um pastor outro dia me disse que eu era uma pastora endemoniada do inferno”, lamentou.

 

Em suas palestras, país afora, se depara com muitos casos que podem inviabilizar um casamento, mas com a ajuda certa, os problemas podem ser superados, afirmou: “Muitas pessoas, e em especial no público cristão, não têm a experiência orgástica. Homens sofrem de disfunções sexuais como ejaculação precoce e, por serem cristãos e religiosos, não buscam ajuda”.

 

Mais à frente, enfatizou que não recomenda a masturbação a ninguém: “Respeito quem pratica, mas não recomendo. A Bíblia diz que o auto-prazer gera pensamentos pecaminosos”.

 

Com seis filhos (2 do casamento atual, 1 do primeiro casamento e 3 do primeiro casamento do marido), Aryanne disse que hoje se sente realizada no sexo, na igreja e na profissão: “Sexo foi criado por Deus para a vida e o prazer. Senão, a mulher não teria clitóris”, finalizou.

 

Gospel +