STF: Fachin vota por ‘liberar’ linguagem neutra em escolas

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp
Brazil's Federal Supreme Court (STF) Minister Edson Fachin, during the session of the STF in Brasília, on February 2, 2017. Brazil's Supreme Court named a new justice Thursday to oversee cases against politicians caught in a giant corruption probe after the previous judicial pointman was killed in an air crash. / AFP PHOTO / ANDRESSA ANHOLETE

Nesta sexta-feira (3), o Supremo Tribunal Federal (STF) iniciou a votação de uma liminar do ministro Edson Fachin que suspendeu uma lei do estado de Rondônia que proibia o uso da chamada linguagem neutra em escolas públicas e particulares em todo o estado. O primeiro a votar foi o próprio Fachin, que votou para manter sua liminar.

O prazo final de votação acaba no dia 13 de dezembro.

A lei n° 5.123 havia sido publicada no Diário Oficial no dia 19 de outubro e já estava valendo em todo o estado. De acordo com o texto, fica “expressamente proibida a linguagem neutra na grade curricular e no material didático de instituições de ensino públicas ou privadas, assim como em editais de concursos públicos”.

Diante da situação, a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino (Contee) acionou o STF e afirmou que a lei de Rondônia era inconstitucional, já que ela invadia a competência da União, responsável por elaborar diretrizes e bases da educação em todo o país.

Fachin atendeu ao pedido de forma liminar e levou o caso para ser analisado pelo plenário do Supremo Tribunal Federal (STF).

De acordo com a lei de Rondônia, instituições de ensino e professores que não obedecerem à proibição poderão sofrer punições. Ao sancionar a legislação, o governo estadual explicou que o objetivo era estabelecer “medidas protetivas ao direito dos estudantes ao aprendizado da língua portuguesa de acordo com a norma culta”.

Pleno News

OUTRAS NOTÍCIAS